Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/16
Tipo: Tese
Título: Avaliação comparativa do número de mastócitos na muscular circular do esôfago e do colón de chagásicos crônicos com e sem mega.
Autor: Pinheiro, Simone Wanderley 
Primeiro orientador: Adad, Sheila Jorge
Resumo: Com o objetivo de avaliar comparativamente o número de mastócitos na muscular do esôfago e do cólon normal e, verificar se existe aumento do número de mastócitos no esôfago e cólon de chagásicos crônicos com e sem mega, contamos o número de mastócitos e avaliamos semi-quantitativamente a miosite e a fibrose visando contribuir para a patogênese das lesões dos megas chagásicos. Foram estudados 28 casos de necrópsias sendo 12 controles não chagásicos, 10 chagásicos sem megas e 6 chagásicos com megaesôfago e megacólon. Foram retirados um anel na transição reto-sigmóide e outro no terço inferior do esôfago, a 5 cm da cárdia de todos os casos. Os anéis foram fixados em formol a 4% e processados para inclusão em parafina. Os cortes histológicos foram corados pelas técnicas de Hematoxilina-Eosina, Giemsa e Tricrômico de Masson. Os mastócitos foram contados em 64 campos do microscópio de luz comum, marca LEICA, modelo DIASTAR (área total: 12,6mm²), em cortes corados pela técnica de Giemsa. Avaliou-se semi-quantitativamente a miosite e o tecido conjuntivo fibroso em cortes corados pela técnica de Hematoxilina-Eosina e Tricrômico de Masson. Essas alterações foram classificadas em discreta, moderada ou intensa. As conclusões seguintes sintetizam nossa análise: 1. Na muscular do esôfago não houve diferença, estatisticamente significante, entre o número de mastócitos nos chagásicos com megaesôfago em relação aos chagásicos sem mega e aos não chagásicos. 2. Na muscular circular do cólon não houve diferença, estatisticamente significante, entre o número de mastócitos nos chagásicos com megacólon em relação aos chagásicos sem mega e aos não chagásicos. 3. O número de mastócitos no esôfago foi muito maior que no cólon em todos os grupos, o que indica uma diferença estrutural entre esses dois órgãos. 4. Não houve diferença estatisticamente significante entre a freqüência de miosite no grupo chagásico com mega em relação aos chagásicos sem mega. 5. Fibrose de substituição e fibrose intersticial foram vistas mais freqüentemente no grupo chagásico com mega em relação aos chagásicos sem mega.
Resumo: With the objective of comparatively evaluate the number of mast cells in the circular musculature of the esophagus and the normal colon, and to verify if there is an increase of the number of mast cells in the esophagus and colon of chronic chagasics with and without mega, we counted the number of mast cells and evaluated semi-qualitatively myositis and fibrosis aiming to contribute to the pathogenesis of the lesions of mega cchagasic ones. 28 cases of necropsy were studied, being 12 non-chagasic controls, 10 chagasic without megas and 6 chagasic with megacolon and megaesophagus. A ring in the rectal sigmoid transition was drawn and another one in the lower third of the esophagus, 5 cm of the cardia of all the cases. The rings were fixed in formol 4% and processed for an inclusion in paraffin. Histological cuts were stained by the hematoxylin-eosin, Giemsa and Tricrômico of Masson techniques. Mast cells were counted in microscopic fields of common light, LEICADIASTAR model (total area: 12. 6mm², in cuts stained by Giemsa technique. Myositis was semi-quantitatively evaluated and the fibrous connective tissue in cuts stained by hematoxylin-eosin and Tricrômico of Masson techniques. These alterations were classified in discrete, moderate or intense ones. The following conclusions synthesize our analysis: 1. In the musculature of the esophagus there was no statistically significant difference between the number of mast cells in the chagasic subjects with megaesophagus, related to the chagasic ones without mega and to the non-chagasic ones. 2. In the musculature of the colon there was no statistically significant difference between the number of the mast cells in the chagasic subjects with megacolon, related to the chagasic ones without mega and to the non-chagasic ones. 3. The number of mast cells in the esophagus was much higher than in the colon in all of the groups, what indicates a structural difference between these two organs. 4. There was not a statistically significant difference between the frequency of myositis in the chagasic group with mega related to the chagasic ones without mega. 5. Substitution fibrosis and interstitial fibrosis were seen more frequently in the chagasic group with mega, related to the chagasic ones without mega.
Palavras-chave: Mastócitos
Megacolo
Esôfago
Doença de Chagas
Mast cells
Megacolon
Esophagus
Área do CNPQ: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA::ANATOMIA PATOLOGICA E PATOLOGIA CLINICA
Idioma: por
País: BR
Editora / Evento / Instituição: Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sigla da instituição: UFTM
Departamento: Patologia Geral
Programa: Programa de Pós-Graduação em Patologia - Patologia Geral
Citação: PINHEIRO, Simone Wanderley. Avaliação comparativa do número de mastócitos na muscular circular do esôfago e do colón de chagásicos crônicos com e sem mega.. 2006. 82 f. Tese (Doutorado em Patologia Geral) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2006.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Data do documento: 15-Dez-2006
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Patologia - Patologia Geral

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_SimonePinheiroDO.pdf337,55 kBAdobe PDFThumbnail

Visualizar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.