Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/38
Tipo: Tese
Título: Atividade da amilase e ácido úrico salivar em pacientes submetidos à nutrição enteral exclusiva.
Autor: Pereira, Ana Cristina 
Primeiro orientador: Cunha, Selma Freire de Carvalho da
Primeiro co-orientador: Gomes, Roseli Aparecida da Silva
Resumo: A saliva é o produto da secreção das glândulas salivares, representadas principalmente pelas parótidas, submandibulares e as sublinguais, além de inúmeras outras pequenas glândulas bucais. O fluxo salivar normal exerce um papel vital na manutenção da saúde da orofaringe. Em pessoas com distúrbios da deglutição, a aspiração do conteúdo orofaringeano ou gástrico pode levar a infecções do trato respiratório inferior, tais como pneumonia aspirativa ou pneumonite. Em tais casos, é contra-indicada a alimentação por via oral e a nutrição enteral exclusiva torna-se a conduta de eleição para o aporte de nutrientes necessários à vida. A mudança no status da mastigação de pacientes submetidos à nutrição enteral causa impacto nos mecanismos de defesa enzimático e não enzimático presentes na saliva. Sendo a amilase e o acido úrico componentes do mecanismo de defesa enzimático e antioxidante, respectivamente, justifica-se o conhecimento dos níveis salivares dessas substâncias em pacientes submetidos a períodos variáveis de nutrição enteral exclusiva. Os objetivos do presente estudo foram: 1) Comparar os níveis salivares de amilase e ácido úrico de pacientes agrupados de acordo com a duração da terapia nutricional enteral exclusiva; 2) Correlacionar os níveis salivares de amilase e ácido úrico com os parâmetros clínicos e laboratoriais de pacientes submetidos à terapia nutricional enteral exclusiva. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP). Os voluntários ou seus responsáveis legais foram esclarecidos sobre os objetivos e a metodologia do estudo e tiveram livre escolha em participar da pesquisa. O estudo foi conduzido nas diversas enfermarias do Hospital das Clínicas e da Unidade de Emergências da FMRP-USP, com 42 pacientes adultos, sendo 27 do gênero masculino (64,3%) e 15 do feminino (35,7%) e média de idade de 57,2 ± 17,0 anos. O período em que os indivíduos estavam em alimentação via oral zero teve mediana de 17 dias, variando de 1 dia a 2 anos e 6 meses. O Grupo Controle (n = 8) foi composto por indivíduos que estavam sem dieta via oral por período menor que 3 dias. O Grupo Média Duração (n = 8) incluiu os pacientes que estavam em dieta via oral zero por 5 a 10 dias; o Grupo Longa Duração (n = 26) foi formado por pacientes privados de qualquer alimento ou líquidos por via oral por período superior a 11 dias. Utilizando-se o sistema informatizado, foram obtidos os dados laboratoriais nos três dias precedentes ou posteriores à data da coleta da saliva. Aspirou-se 1 a 3 mL de saliva, utilizando-se uma sonda de aspiração orotraqueal; as amostras foram colocadas em tubo a vácuo, esterilizado e sem anticoagulantes, hermeticamente fechado e congelado à temperatura de -70º C até o momento das dosagens laboratoriais. As dosagens de amilase, ácido úrico e proteínas salivares foram pelo do método enzimático colorimétrico, no Laboratório de Nutrição da FMRP-USP. Os valores de amilase salivar são expressos de acordo com a concentração de proteína 37 total salivar (U/g) e os níveis salivares de ácido úrico são expressos em mg/dL. A análise estatística foi feita com o sofware STATISTICA 6.0. A comparação de duas variáveis com distribuição normal e homogêneas foi feita pelo teste t; para três variáveis, utilizou-se o teste de ANOVA-F. A comparação de duas variáveis normais e não homogêneas ou aquelas com distribuição não-normal foi feita pelo teste de Mann-Whitney; para três variáveis, utilizou-se o teste de Kruskal Wallis. Foi feita a matriz de correlação para duas variáveis numéricas e a análise de associação para variáveis categóricas; utilizou-se o teste do Qui quadrado clássico quando todas as freqüências foram maiores que 5 e o Qui-quadrado de Yates quando alguma freqüência foi menor que 5 e maior que 1. Diferenças entre as variáveis foram consideradas significativas quando p < 0,05. Os pacientes dos Grupos Controle, Média e Longa Duração foram pareados para a idade (61,3 ± 20,9 vs. 54,6 ± 18,8 vs. 56,8 ± 15,5 anos) e houve predomínio do gênero masculino (62,5 vs. 100 vs. 53,8%). Houve grande dispersão em torno dos valores de centralidade (mediana) dos níveis de amilase salivar entre os indivíduos que estavam em terapia nutricional enteral exclusiva por períodos prolongados. Não houve diferença estatística nos níveis salivares de amilase e ácido úrico entre os pacientes do Grupo Controle e de acordo com a duração da terapia nutricional enteral (Grupo Média e Longa Duração). Quando os indivíduos foram agrupados de acordo com o comportamento dos níveis salivares de ácido úrico, observou-se que 27 pacientes (64,3%) apresentavam níveis normais e 15 (35,7%) tinham valores baixos. Não houve diferença estatística nos valores de amilase e ácido úricos salivares quando os indivíduos foram agrupados de acordo com a condição clínica que determinou a indicação da nutrição enteral exclusiva. Concluímos que a duração da terapia nutricional exclusiva não modificou os níveis salivares de amilase ou de ácido úrico e que não houve correlação entre os níveis salivares de amilase ou de ácido úrico com os dados laboratoriais utilizados para a avaliação clínica dos pacientes submetidos à nutrição enteral exclusiva, assim como com as situações que contra-indicaram a alimentação por via oral. O comportamento da amilase e do ácido úrico salivares pode estar refletindo as particularidades no estado de saúde dos pacientes hospitalizados, que exigem marcadores específicos para avaliar eventuais fatores que modificam a bioquímica salivar. É possível que a contaminação patogênica da orofaringe seja um fator determinante na concentração de amilase e ácido úrico salivares, justificando a variabilidade dos resultados obtidos.
Resumo: Saliva is the product of salivary gland. Presented by parotid, sublingual and submandibular as well as mainly others minor oral glands. A normal salivary flow plays vital role in maintaining oropharynx health. In some subjects, who had abnormalities in swallowing, the aspiration of orofaringeal and gastric fluids may lead to infections, into the lower respiratory tract, as pneumonia. That situation, contraindicate oral feeding, and oral feeding is required to maintain adequate nutrition, which is necessarily to life. The changing in mastication status in patients feed by nasogastric tubes may cause an impact in saliva defense mechanism, enzymatic and non enzymatic. Therefore investigation of amylase and acid uric levels in saliva is justified. This work suggest: Compare salivary levels of amylase and uric acid in patients enteral nutrition feeding exclusively; 2) Correlate salivary levels of amylase and uric acid to clinical and laboratorial parameters in patients using enteral nutrition exclusively. This searching was approved by ethical commission of (HC-USP-FMRP).The volunteers and their legal relatives were warned about the objectives and methodologies, and could choose if they wanted participate or not of this study. The work was executed in mainly departments of Hospital das Clinicas da FMRP-USP. Forty- two adult patients constituted our study. Twenty-seven were man 64,3% and fifteen were women 35,7%. The mean age was 57,2 ± 17,0 years. The period in where subject were not feeding orally has mean of 17 days, varying in one day to 2 years and six months. Control group (n=8) was consisted for subjects whom were not feeding orally by period less than 3 days. The group mean duration (n=8) included, patients without oral feeding more than 3 days and less than 11.The group long duration (n=26) was made of patients without ingest no food or drink orally from more than 11 days. Using informatics system, obtained laboratorial bases, 3 days before and after the data when saliva was collected. It was aspired 1 to 3 ml of saliva using orotraqueal aspiration tube. All samples were placed in vacutainers tubes, sterilized without anticoagulant, hermetically closed and frozen in a temperature of -70 degrees until the right moment that were analyzed. Clinical analyses were made by colorimetric enzymatic method, in nutrition laboratories of FMRP-USP. Amylase values were expressed in (U/g), depending on total protein concentration, and uric acid levels were expressed in (Mg/dl). The statistical analyses were done by Statistica 6.0 software. It was used test t for variables in normal and homogeneous distribution. Anova F was used for three variables. The comparison of two variables normal and no-homogeneous or that with no-normal distribution was made by Mann-Whitney test; for three variables, Kruskal-Wallis test was used. A mean correlation was med to for numerical variables and an association analyses for categorical variables. Qui- quadrado test was used when all frequencies were higher 5, and Qui-quadrado de Yates when some frequency was lower than five and higher 1. Differences between variables were considered significant p<0,05. There was a big dispersion around the mean values between subjects using enteral nutrition exclusively during long terms. There were no statistical differences in amylase and uric acid salivary levels between patients of control group and groups relates on duration of enteral nutrition. Respectively no statistical differences were found in values of amylase and uric acid when subjects were grouped in accordance with clinical conditions. It was concluded that exclusive enteral nutrition and its duration did not modify levels of amylase and uric acid, and there is no correlation between this levels and laboratorial parameters used to evaluate patients feeding by enteral nutrition exclusively. Because off particularities in medical conditions of these patients, the salivary parameters must be specifically studied. These findings suggest that oropharynx contamination is a determinant factor in salivary levels concentration of uric acid and amylase. Justifying the variability of results.
Palavras-chave: saliva
diastase
ácido úrico
nutrição enteral
saliva
amylases
uric acid
enteral nutrition
Área do CNPQ: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA::ANATOMIA PATOLOGICA E PATOLOGIA CLINICA
Idioma: por
País: BR
Editora / Evento / Instituição: Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sigla da instituição: UFTM
Departamento: Patologia Clínica
Programa: Programa de Pós-Graduação em Patologia - Patologia Clínica
Citação: PEREIRA, Ana Cristina. Atividade da amilase e ácido úrico salivar em pacientes submetidos à nutrição enteral exclusiva.. 2007. 72 f. Tese (Doutorado em Patologia Clínica) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2007.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Data de defesa: 14-Dez-2007
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Patologia - Patologia Clínica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_AnaCristinaPereiraME.pdf1,22 MBAdobe PDFThumbnail

Visualizar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.