Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/58
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorSeabra, Aletéia Marieta da Silva-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0096684244371736por
dc.contributor.advisor1Murta, Beatriz Martins Tavares-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0934538875614711por
dc.date.accessioned2015-11-27T18:51:04Z-
dc.date.available2014-01-30-
dc.date.issued2012-03-01-
dc.identifier.citationSEABRA, Aletéia Marieta da Silva. Efeito da melatonina sobre a migração de leucócitos, produção de óxido nítrico, citocinas e substâncias oxidantes na endotoxemia.. 2012. 81 f. Dissertação (Mestrado em Bioquímica, Fisiologia e Farmacologia) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2012.por
dc.description.resumoA melatonina, principal hormônio produzido pela pineal, pode também ser produzida por outros tecidos e células. Diversos estudos relacionam a melatonina a funções imunomodulatórias, de forma dose-dependente. Considerando sua ação antioxidante e antiinflamatória, avaliou-se o efeito protetor da melatonina na endotoxemia grave, induzida pela administração intraperitoneal de LPS (10 mg/kg) em camundongos. O tratamento com a melatonina (10 e 20 mg/kg, via subcutânea) foi realizado 30 min antes e 1h após o LPS. A endotoxina causou 80% de mortalidade após uma semana, e a melatonina aumentou a sobrevida para 80%, por até 7 dias para o grupo tratado com a menor dose. Para identificar mecanismos envolvidos no efeito protetor da melatonina, foram avaliados parâmetros inflamatórios após a inflamação peritoneal induzida por tioglicolato. Os resultados demonstraram efeito diferencial da melatonina sobre a infiltração de neutrófilos, dependendo do período de observação. Em 6 h houve intensa redução no número de neutrófilos emigrados para o sítio inflamatório, nos animais com endotoxemia, comparado ao controle, e também nos grupos da melatonina. Porém, a dose de 10 mg/kg aumentou parcialmente (p=0,052), a migração de neutrófilos comparado ao LPS. Já após 24 h esta migração não apresentou diferenças entre os grupos controle e LPS. A comparação do grupo do LPS mostra recuperação da capacidade de migração de neutrófilos após 24 h da endotoxemia. Ainda, neste tempo a melatonina inibiu a migração de neutrófilos estimulada pelo tioglicolato, comparado ao controle e ao LPS. Considerando que o efeito inibitório do LPS sobre a migração de neutrófilos pode ser mediado pelo NO, os metabólitos de NO foram quantificados no soro e lavado peritoneal, através da reação de Griess. Houve aumento nas concentrações de NO no soro após 6 e 24 h, no grupo do LPS comparado ao controle, reduzido significativamente pela melatonina (10 mg/kg) após 24 h. No lavado peritoneal não foram detectadas diferenças significativas na produção de nitrito entre os grupos controle e LPS. A melatonina, na dose de 20 mg/kg e após 24 h, reduziu a concentração local de nitrito, comparado ao LPS. Houve redução desta produção ao longo dos tempos de avaliação, significativa para o grupo da melatonina 20 mg/kg. A atividade antioxidante local e sistêmica foi determinada através do teste do DPPH. Não houve diferença significativa entre os grupos quanto à atividade presente no soro nos tempos avaliados. Observou-se redução da atividade antioxidante sistêmica em todos os grupos após 24h da endotoxemia. A atividade antioxidante no lavado peritoneal aumentou significativamente no grupo do LPS, comparado ao PBS, após 24 h, sem diferenças nos grupos da melatonina. Observou-se aumento da atividade antioxidante local em todos os grupos após 24 h. Nossos resultados demonstraram aumentotanto da resposta pró-inflamatória, quanto da anti-inflamatória nos animais administrados com a endotoxina. A melatonina nas duas doses utilizadas, reduziu significativamente as concentrações sistêmicas de TNF-α, mas não de IL-10. A endotoxemia grave foi acompanhada de aumento da produção sistêmica de NO e intensa inibição da migração de neutrófilos seguida de recuperação desta função após 24 h. A melatonina aumentou a sobrevida, em parte por efeito modulador sobre a migração de neutrófilos e produção sistêmica de NO e TNF-α. Outros mecanismos devem contribuir para o efeito protetor da melatonina em modelo de endotoxemia.por
dc.formatapplication/pdfpor
dc.thumbnail.urlhttp://localhost:8080/tede/retrieve/172/Dissert%20Aleteia%20P1.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Triângulo Mineiropor
dc.publisher.departmentBioquímica, Fisiologia e Farmacologiapor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFTMpor
dc.publisher.programCurso de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicaspor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectMelatoninapor
dc.subjectMigração de neutrófilospor
dc.subjectÓxido nítricopor
dc.subjectAtividade antioxidantepor
dc.subjectEndotoxemiapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINApor
dc.titleEfeito da melatonina sobre a migração de leucócitos, produção de óxido nítrico, citocinas e substâncias oxidantes na endotoxemia.por
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Aleteia P1.pdf3,59 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.