Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/697
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorCAIXETA, Thaís Pereira-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2580365923513934por
dc.contributor.advisor1SIMÕES, Ana Lúcia de Assis-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2379544650823103por
dc.date.accessioned2019-06-26T17:45:11Z-
dc.date.issued2017-12-22-
dc.identifier.citationCAIXETA, Thaís Pereira. A cultura de segurança do paciente na perspectiva dos profissionais de saúde de um bloco cirúrgico. 2017. 100f. Dissertação (Mestrado em Atenção à Saúde) - Programa de Pós-Graduação em Atenção à Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2017.por
dc.description.resumoA cultura de segurança do paciente é uma das estratégias para promoção e fortalecimento de ações que visam à qualidade da assistência em saúde e a segurança do paciente. O objetivo desse estudo foi compreender a cultura de segurança do paciente na perspectiva dos profissionais de saúde. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório de natureza qualitativa, desenvolvido em um bloco cirúrgico de um hospital de ensino do interior de Minas Gerais. A coleta dos dados foi por meio de entrevista semiestruturada, com 97 profissionais de saúde, dentre eles, técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos. Para a análise dos dados foi utilizado o Método de Análise de Conteúdo, seguindo as seguintes etapas: pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados obtidos e interpretação. As categorias encontradas após os procedimentos da análise foram: Segurança do paciente: cuidar e proteger sua integridade; Fatores que interferem na segurança do paciente: aspectos de (in)segurança; A assistência prestada ao paciente no bloco cirúrgico é segura? e Protocolos básicos de segurança: estratégia para minimizar danos ao paciente. Percebeu-se que os profissionais de saúde têm domínio sobre o conceito de segurança do paciente, conseguiram identificar os fatores que influenciam na segurança, bem como, as potencialidades, fragilidades e ações que devem ser implementadas na assistência para prestar um atendimento ao paciente com maior segurança. Concluiu-se que esforços devem ser priorizados pela alta gestão e pelos profissionais da assistência, com o intuito de promover as condições que garantam a promoção da cultura de segurança no hospital e a satisfação dos colaboradores, pacientes e familiares.por
dc.description.abstractThe safety culture of the patient is one of the strategies for promoting and strengthening actions that aim at the quality of health care and patient safety. The objective of this study was to understand the culture of patient safety from the perspective of health professionals. This is a descriptive-exploratory study of a qualitative nature, developed in a surgical center of an Education Hospital of interior of Minas Gerais. The data collection through a half structured interview with 97 health professionals, among them, nursing technicians, nurses and physicians. For an analysis of the data it was used the Content Analysis Method, following the following steps: pre-analysis, material exploration and treatment of results obtained and interpretation. The categories found after the analysis procedures were: Patient safety: to care for and protect their integrity; Factors that interfere in patient safety: aspects of (in) safety, Is the care provided to the patient in the surgical block safe? and Basic safety protocols: strategy to minimize damage to the patient. It was noticed that health professionals have mastery over the concept of patient safety, are able to identify factors that influence safety, as well as potentialities, fragilities and actions that should be implemented in the care to provide a patient care with greater safety. It was concluded that efforts should be prioritized by senior management and care professionals, with the aim of promoting the conditions that guarantee the safety culture in the hospital and the satisfaction of employees, patients and family members.eng
dc.description.abstractLa cultura de seguridad del paciente es una de las estrategias para promoción y fortalecimiento de acciones que apuntan a la calidad de la asistencia en salud y la seguridad del paciente. El objetivo de este estudio fue comprender la cultura de seguridad del paciente en la perspectiva de los profesionales de salud. Se trata de un estudio descriptivo-exploratorio de naturaleza cualitativa, desarrollado en un bloque quirúrgico de un Hospital de Enseñanza del interior de Minas Gerais. La recolección de los datos fue por medio de una entrevista semiestructurada, con 97 profesionales de salud, entre ellos, técnicos de enfermería, enfermeros y médicos. Para el análisis de los datos se utilizó el Método de Análisis de Contenido, siguiendo las siguientes etapas: pre-análisis, exploración del material y tratamiento de los resultados obtenidos e interpretación. Las categorías encontradas después de los procedimientos del análisis fueron: Seguridad del paciente: cuidar y proteger su integridad; Factores que interfieren en la seguridad del paciente: aspectos de (in) seguridad, La asistencia prestada al paciente en el bloque quirúrgico es segura? y Protocolos básicos de seguridad: estrategia para minimizar daños al paciente. Se percibió que los profesionales de salud tienen dominio sobre el concepto de seguridad del paciente, logran identificar los factores que influyen en la seguridad, así como las potencialidades, fragilidades y acciones que deben ser implementadas en la asistencia para prestar una atención al paciente con mayor seguridad. Se concluyó que los esfuerzos deben ser priorizados por la alta gestión y los profesionales de la asistencia, con el fin de promover las condiciones que garanticen la promoción de la cultura de seguridad en el hospital y la satisfacción de los colaboradores, pacientes y familiares.spa
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://bdtd.uftm.edu.br/retrieve/4485/Dissert%20Thais%20P%20Caixeta.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Triângulo Mineiropor
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências da Saúde - ICS::Curso de Graduação em Enfermagempor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFTMpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação Stricto Sensu em Atenção à Saúdepor
dc.relation.referencesAL-DUBAI, S. A. R. et al. Emotional Burnout, Perceived Sources of Job Stress, Professional Fulfillment, and Engagement among Medical Residents in Malaysia. The Scientific World Journal, v. 2013, p. 9 telas, 2013. Disponível em:< https://www.hindawi.com/journals/tswj/2013/137620/>. Acesso em: 02 abr. 2017. ALVES, D. F. S.; GUIRARDELLO, E. B. Ambiente de trabalho da enfermagem, segurança do paciente e qualidade do cuidado em hospital pediátrico. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 37, n. 2, e58817, 2016. Disponível em:< http://www.seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/viewFile/58817/37326>. Acesso em: 10 mar. 2017. AMAYA, M. R. et al. Análise do registro e conteúdo de checklists para cirurgia segura. Esc. Anna Nery Rev. Enferm., Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 246-51, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414- 81452015000200246&lng=es&tlng=pt>. Acesso em: 10 mar. 2017. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2008. Manual Cirurgias Seguras Salvam Vidas. Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home> Acesso em: 10 fev 2016. ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática. 1. ed. Brasília: ANVISA, 2013. Disponível em: < https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro1- Assistencia_Segura.pdf> Acesso em: 01 mar. 2017. ARANAZ-ANDRÉS, J. M. et al. Impact and preventability of adverse events in Spanish public hospitals: results of the Spanish National Study of Adverse Events (ENEAS). Int J Qual Health Care, v. 21, n. 6, p. 408-414, 2009. Disponível em:< https://academic.oup.com/intqhc/article/21/6/408/1798142>. Acesso em: 08 set. 2017. BARBOSA, M. H. et al. Clima de segurança do paciente em um hospital privado. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 25, n. 3, e1460015, 2016. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n3/pt_0104-0707-tce-25-03-1460015.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017. BARDIN, L. Ánálise de conteúdo. SP: Edições 70, 2011. BARILLAS, C. C. H. Avaliação da cultura de segurança do paciente entre médicos de uma maternidade do nordeste brasileiro. 2016. 120 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. Disponível em: < http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/21848/1/2016_dis_ccbarillas.pdf>. Acesso em: 18 set. 2017. BATALHA, E. M. S. S. A cultura de segurança do paciente na percepção de profissionais de enfermagem de um hospital de ensino. 2012. 154f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-03012013-105906/ptbr.php>. Acesso em: 05 mar. 2017. BOGARIN, D. F. et al. Segurança do paciente: conhecimento de alunos de graduação em enfermagem. Cogitare Enferm., v. 19, n. 3, p. 491-497, 2014. Disponível em:< http://www.saude.ufpr.br/portal/revistacogitare/wp-content/uploads/sites/28/2016/10/33308- 140309-1-PB.pdf>. Acesso em: 12 set. 2017. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos. Brasília: Anvisa, 2009. 105p. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_servicos_saude_higienizacao_ maos.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2017. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº. 63 de 25 de Novembro de 2011. Dispõe sobre os requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 25 nov. 2011. Disponível em:< https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-63-de-25- de-novembro-de-2011> Acesso em: 10 fev 2016. BRASIL. Portaria nº 529 de 01 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União, Brasília, 01 abri. 2013a. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0529_01_04_2013.html> Acesso em 10 fev 2016. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.377 de 9 de Julho de 2013. Aprova os Protocolos de Segurança do Paciente. Diário Oficial do União, 9 jul. 2013b. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1377_09_07_2013.html>. Acesso em: 12 mar. 2017. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Aprova os Protocolos Básicos de Segurança do Paciente. Diário Oficial da União, 24 set. 2013c. Disponível em:< http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/0SEGURANCA_DO_PACIENTE/portaria_2095_2 013.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2017. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 36, de 25 de Julho de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 jul. 2013d. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0036_25_07_2013.html>. Acesso em: 01 set. 2017. BRASIL. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 40 p. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_segura nca.pdf>. Acesso em: 05 set. 2017. CALDANA, G. et al. Rede Brasileira de Enfermagem e segurança do paciente: desafios e perspectivas. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 24, n, 3, p. 906-11, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n3/pt_0104-0707-tce-24-03-00906.pdf>. Acesso em: 04 Ago 2016. CAPUCHO, H. C.; CASSIANI, S. H. B.. Necessidade de implantar programa nacional de segurança do paciente no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 47, n. 4, p. 791-8, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47n4/0034-8910-rsp-47-04- 0791.pdf>. Acesso em: 04 ago 2016. CARVALHO, P. A. et al. Cultura de segurança no centro cirúrgico de um hospital público, na percepção dos profissionais de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 23, n. 6, p. 1041- 1048, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n6/pt_0104-1169-rlae-23-06- 01041.pdf>. Acesso em: 02 set. 2017. CAUDURO, F. L. F.; VALLE, M. F.; CRUZ, E. D. A. Percepção da cultura de segurança entre médicos. Rev. Uniandrade (Online), Curitiba, v. 18, n. 1, p. 24-34, 2017. Disponível em:<https://www.uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/article/view/6 68>. Acesso em: 15 set. 2017. CHEN, I. C.; LI, H. H. Measuring patient safety culture in Taiwan using the Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC). BMC Health Serv Res, v. 10, p. 152-160, 2010. Disponível em:< https://bmchealthservres.biomedcentral.com/articles/10.1186/1472-6963-10- 152>. Acesso em: 10 set. 2017. CHIANCA, T. C. M. Falhas de enfermagem no pós-operatório imediato de pacientes cirúrgicos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 6, 2006. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n6/pt_v14n6a08.pdf>. Acesso em: 03 abr. 2017. COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Perfil da Enfermagem no Brasil, 2015. Disponível em: < http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/>. Acesso em: 20 out. 2017. COREGGIO, T. C.; AMANTE, L. N.; BARBOSA, S. F. F. Avaliação da cultura de segurança do paciente em Centro Cirúrgico. Rev. SOBECC, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 67-73, 2014. Disponível em: <http://sobecc.org.br/arquivos/artigos/2015/pdfs/site_sobecc_v19n2/02_sobecc_v19n2.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2017. COSTA JÚNIOR, A. S. et al. Avaliação dos indicadores de qualidade de tempo operatório e não operatório de um hospital universitário público. Einstein, São Paulo, v. 13, n. 4, p. 594-9, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/eins/v13n4/pt_1679-4508-eins-13-4- 0594.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2017. DIAS, J. D. et al. Compreensão de enfermeiros sobre segurança do paciente e erros de medicação. Rev Min Enferm, v. 18, n. 4, p. 866-873, 2014. Disponível em:< http://reme.org.br/artigo/detalhes/969>. Acesso em: 06 abr. 2017. DUARTE, S. C. M. et al. Eventos adversos e segurança na assistência de enfermagem. Rev Bras Enferm., Brasília, v. 68, n. 1, p. 144-154, jan./fev. 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000100144>. Acesso em: 10 mar. 2017. ELIAS, A. C. G. P. et al. Avaliação da Adesão ao Checklist de Cirurgia Segura em Hospital Universitário Público. Revista Sobecc, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 128-33, 2015. Disponível em: < http://www.sobecc.org.br/arquivos/artigos/2015/pdfs/v20n3/128-133.pdf>. Acesso em: 03 Set 2016. EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES. Diretoria de Gestão de Pessoas. Regulamente de pessoal. Brasília: EBSERH, 2014. Disponível em:< http://ebserh.gov.br/documents/16692/149422/regulamento+de+pessoal+verso+final_publica daBS.pdf/590465e7-8d36-4a8e-bb04-11f4f14562b5>. Acesso em: 10 abr. 2017. FARAH, B. F. Educação em serviço, educação continuada, educação permanente em saúde: sinônimos ou diferentes concepções?. Revista APS, v. 6, n. 2, p. 123- 125, jul./dez., 2003. Disponível em: <www.ufjf.br/nates/files/2009/12/Tribuna.pdf.>. Acesso em: 15 set. 2017. FERMO, V. C. et al. Atitudes profissionais para cultura de segurança do paciente em unidade de transplante de medula óssea. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. e55716, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v37n1/0102-6933-rgenf-37- 1-1983-144720160155716.pdf>. Acesso em: 04 ago 2016. FERRAZ, E. M.. A cirurgia segura. Uma exigência do século XXI [Editorial]. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 281-82, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rcbc/v36n4/a01v36n4.pdf >. Acesso em: 03 set 2016. FILHO, G. R. M. et al. Protocolo de Cirurgia Segura da OMS: O grau de conhecimento dos ortopedistas brasileiros. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v. 48, n. 6, p. 554-62, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbort/v48n6/pt_0102-3616-rbort-48-06- 00554.pdf >. Acesso em: 04 nov 2016. FIOCRUZ. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Programa de Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde – PROADESS. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011. Disponível em: < http://www.proadess.icict.fiocruz.br/index.php?pag=princ>. Acesso em: 18 set. 2017. FONTANELLA, B. J. B. et al. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública, v. 27, n. 2, p. 389-394, 2011. Disponível em:< https://scielosp.org/pdf/csp/v27n2/20.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2017. FRAGATA, J.; SOUSA, P. S.; SANTOS, R. S. Organizações de saúde seguras e confiáveis. In: SOUSA, P.; MENDES, W. (Org.). Segurança do Paciente: criando organizações de saúde seguras. Rio de Janeiro: EAD/ENSP, 2014. Disponível em: < https://livro%202%20seguranca%20do%20paciente%20web.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017. FRIEDMAN, B. et al. Do Patient Safety Events Increase Readmissions?. Med. Care, v. 47, n. 5, p. 583-593, 2009. Disponível em:< http://journals.lww.com/lwwmedicalcare/pages/articleviewer.aspx?year=2009&issue=05000&article=00012&type=abstrac t>. Acessso em: 05 mar. 2017. GAMA, Z. A. S.; OLIVEIRA, A. C. S.; HERNÁNDEZ, P. J. S. Cultura de seguridad del paciente y factores asociados en una red de hospitales públicos españoles. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 43-48, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/csp/v29n2/15.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2017. GIL, A. C. . Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. HAYNES, A. B. et al. A surgical safety checklist to reduce morbidity and mortality in a global population. The New England Journal of Medicine, v. 360, n. 5, p. 491-9, 2009. Disponível em: < http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMsa0810119>. Acesso em: 04 nov 2016. HEMESATH, M. P. et al. Estratégias educativas para melhorar a adesão à identifi cação do paciente. Rev. Gaúcha Enferm., Florianópolis, v. 37, n. 4, e58662, 2015. Disponível em:< https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/132098/000980482.pdf?sequence=1>. Acesso em: 02 abr. 2017. HERR, G. E. G.; AOZANE, F.; KOLANKIEWICZ, A. C. B. Segurança do paciente: uma discussão necessária. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Brasília, v. 6, Supl. 3, p. 2300- 2310, 2015. Disponível em:< http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/22452/0>. Acesso em: 20 abr. 2017. HINRICKSEN, S. L. et al. Gestão da qualidade e dos riscos na segurança do paciente: estudopiloto. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, n. 7, p. 10-17, 2011. Disponível em:< http://revistas.face.ufmg.br/index.php/rahis/article/view/1400/957>. Acesso em: 18 set. 2017. ILHA, P. et al. Segurança do paciente na percepção de acadêmicos de enfermagem. Cogitare enfermagem, v. 21, n. 5, p. 01-10, 2016. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/43620/pdf>. Acesso em: 16 abr. 2017. IOM. Institute of Medicine. Crossing the Quality Chasm. A New Health System for the 21st century. Washington DC, National Academy Press; 2001. Disponível em: <http://www.nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Report%20Files/2001/Crossing-theQuality-Chasm/Quality%20Chasm%202001%20%20report%20brief.pdf>. Acesso em: 20 out. 2017. JCI. JOINT COMMISSION INTERNATIONAL. International patient safety goals created. Jt Comm Perspect., v. 26, n. 2, p. 1-8, 2006. Disponível em: <https://www.jointcommission.org/standards_information/npsgs.aspx >. Acesso em: 15 set. 2017. JCI. JOINT COMISSION INTERNATIONAL. CONSÓRCIO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE. Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais. Rio de Janeiro: CBA, 2010. Disponível em: < https://edisciplinas.usp.br/.../joint%20comission%20Fourth_Edition_Hospital_Manual_Portu guese_Translation.pdf>. Acesso em: 15 set. 2017. JOINT COMISSION RESOURCES. Temas e estratégias para liderança em enfermagem: enfrentando os desafios hospitalares atuais. Porto Alegre: Artmed, 2008. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=HO4wBwAAQBAJ&pg=PA2&dq=Temas+e+estrat %C3%A9gias+para+lideran%C3%A7a+em+enfermagem:+enfrentando+os+desafios+hospital ares+atuais&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiogMjfydfXAhWID5AKHT5VCYQ6AEIJjAA#v=onepage&q=Temas%20e%20estrat%C3%A9gias%20para%20lideran%C3 %A7a%20em%20enfermagem%3A%20enfrentando%20os%20desafios%20hospitalares%20a tuais&f=false>. Acesso em: 11 set. 2017. KATSURAYAMA, M. et al. Avaliação dos níveis de estresse psicológico em médicos residentes e não residentes de hospitais não universitários. Psicologia Hospitalar, v. 9, n. 1, p. 75-96, 2011. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ph/v9n1/v9n1a05.pdf>. Acesso em: 06 abr. 2017. KOBAYASHI, R. M.; SILVA, A. B. V.; AYOUB, A. C. Gerenciando dificuldades para acreditação hospitalar em hospital cardiovascular. Rev. Rene, v. 11, n. 4. p. 19-28, 2010. Disponível em:< http://www.revistarene.ufc.br/vol11n4_pdf/a02v11n4.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2017. KOHN, L. T.; CORRIGAN, J. M.; DONALDSON, M. S. To Err Is Human: Building a Safer Health System. Washington: National Academy Press, 2000. 8 p. Disponível em:< http://www.nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Report%20Files/1999/To-Err-isHuman/To%20Err%20is%20Human%201999%20%20report%20brief.pdf>. Acesso em: 21 set. 2017. LEE P.; ALLEN, K.; DALY, M. A. Communication and Patient Safety' training programme for all healthcare staff: can it make a difference?. BMJ Qual. Saf., Londres, v. 21, n. 1, p. 84- 8, 2012. Disponível em:< http://qualitysafety.bmj.com/content/21/1/84>. Acesso em: 21 abr. 2017. MAGALHÃES, A. M. M.; DALL’AGNOL, C. M.; MARCK, P. B. Carga de trabalho da equipe de enfermagem e segurança do paciente-estudo com método misto na abordagem ecológica restaurativa. Rev Latino-Americana Enfermagem (Internet), v. 21, n. spec., p. 09 telas, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21nspe/pt_19.pdf.>. Acesso em: 10 set. 2017. MANRIQUE, B. T. et al. Segurança do paciente no centro cirúrgico e qualidade documental relacionadas à infecção cirúrgica e à hospitalização. Acta Paulista Enfermagem, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 355-60, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ape/v28n4/1982-0194- ape-28-04-0355.pdf>. Acesso em: 04 Ago 2016. MARTINEZ QUES, A. A.; HUESO MONTORO, C.; GÁLVEZ GONZÁLEZ, G.. Fortalezas e ameaças em torno da segurança do paciente segundo a opinião dos profissionais de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n. 3, p. 8 telas, 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_07.pdf>. Acesso em: 18 set. 2017. MAXFIELD, D. G. et al. Confronting Safety Gaps across Labor and Delivery Teams. Am. J. Obstet. Gynecol., St. Louis, v. 209, n. 5, 2013. Disponível em:< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3874068/>. Acesso em: 05 abr. 2017. MAZIERO, E. Z. S. et al. Adesão ao uso de um checklist cirúrgico para segurança do paciente. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 36, n. 4, p. 14-20, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v36n4/pt_1983-1447-rgenf-36-04-00014.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2017. MELLO, J. F. Cultura de segurança do paciente em Unidade de Terapia Intensiva: perspectiva da enfermagem. 2011. 219 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 2011. Disponível em:< https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/103352/305244.pdf?sequence=1&isAl lowed=y>. Acesso em: 10 abr. 2017. MELLO, J. F.; BARBOSA, S. F. F. Cultura de segurança do paciente em terapia intensiva: recomendações da Enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 22, n. 4, p. 1124- 1133, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n4/31.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017. MENDES, W. et al. The assessment of adverse events in hospitals in Brazil. International Journal for Quality in Health Care, v. 21, n. 4, p. 279-584, 2009. Disponível em:< https://academic.oup.com/intqhc/article/21/4/279/1801452>. Acesso em: 10 set. 2017. MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001. MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. MINUZZI, A. P.; SALUM, N. C.; LOCKS, M. O. H. Avaliação da cultura de segurança do paciente em terapia intensiva na perspectiva da equipe de saúde. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 25, n. 2, e1610015, 2016. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n2/0104-0707-tce-25-02-1610015.pdf>. Acesso em: 08 abr. 2017. MONTEIRO, C.; AVELAR, A. F. M.; PEDREIRA, M. L. G.. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n, 1, p. 169-79, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00169.pdf>. Acesso em: 04 ago 2016. MONTEIRO, F. M. S. Lista de verificação de segurança cirúrgica e infecção do sitio cirúrgico em crianças e adolescentes: conhecimento dos profissionais que atuam em centro cirúrgico. 2014. 90 f. Dissertação - Programa de Pós-graduação em Processos Interativos de Órgãos e Sistemas, Instituto de Ciências da Saúde, Salvados, Bahia, 2014. Disponível em:< https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/17938/1/MONTEIRO%2c%20F%c3%a1tima%20Ma ria%20dos%20Santos.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2017. MONTEIRO, F. M.S.; SILVA, L. R. “Checklist” Lista de Verificação de Segurança cirúrgica: avaliação e intervenção. Rev. Ciênc. Méd. Biol., Salvador, v.12, n. esp., p.482-85, 2013. Disponível em:< https://portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/9196>. Acesso em: 15 abr. 2017. MOTTA FILHO, G. R. et al. Protocolo de cirurgia segura da OMS: o grau de conhecimento dos ortopedistas brasileiros. Rev Bras Ortop., v. 48, n. 6, p. 554-562, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbort/v48n6/pt_0102-3616-rbort-48-06-00554.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2017. MOURA, M. L. O.; MENDES, W. Avaliação de eventos adversos cirúrgicos em hospitais do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, n. 3, p. 523-35, 2012. Disponível em: < http://www.scielosp.org/pdf/rbepid/v15n3/07.pdf>. Acesso em: 04 nov 2016. NOGUEIRA, J. W. S.; RODRIGUES, M. C. S. Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: desafio para a Segurança do Paciente. Cogitare Enferm., Curitiba, v. 20, n. 3, p. 636-40, 2015. Disponível em:< http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/viewFile/40016/26245>. Acesso em: 05 abr. 2017. OLIVEIRA, H. M.; SILVA, C. P. R.; LACERDA, R. A. Políticas de controle e prevenção de infecções relacionadas à assistência à saúde no Brasil: análise conceitual. Rev. Esc. Enferm. USP, Ribeirão Preto, v. 50, n. 3, p. 505-511, 2016. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/pt_0080-6234-reeusp-50-03-0505.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017. OLIVEIRA, J. L. C. et al. Segurança do paciente: conhecimento entre residentes multiprofissionais. Einstein, v. 15, n. 1, p. 50-57, 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/eins/v15n1/pt_1679-4508-eins-15-01-0050.pdf>. Acesso em: 20 set. 2017. OLIVEIRA, R. M. et al. Estratégias para promover segurança do paciente: da identificação dos riscos às práticas baseadas em evidências. Esc. Anna Nery Rev. Enferm., Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 122-129, 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452014000100122>. Acesso em: 15 abr. 2017. OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Segundo desafio global para a segurança do paciente: Cirurgias seguras salvam vidas (orientações para cirurgia segura da OMS). Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde; Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009. 29 p. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_cirurgia_salva_manual.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2017. OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Manual de Implementação Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS 2009. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2014. 20 p. Disponível em: < https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/manuais/Manual_de_I mplementao_da_LVSC.pdf>. Acesso em: 20 set. 2017. PADILHA, K. G. et al. Segurança do paciente em Unidades de Terapia Intensiva: desenvolvimento de um projeto de pesquisa. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo, v. 49, n. especial, p.157-163, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49nspe/1980-220X-reeusp-49-spe-0157.pdf>. Acesso em: 04 ago. 2016. PADOVEZE, M. C.; FORTALEZA, C. M. C. B. Infecções relacionadas à assistência à saúde: desafios para a saúde pública no Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo, n. 48, v. 6, p. 995- 1001, 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n6/pt_0034-8910-rsp-48-6- 0995.pdf>. Acesso em: 08 abr. 2017. PANCIERI, A. P. et al. Checklist de cirurgia segura: análise da segurança e comunicação das equipes de um hospital escola. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 71-8, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n1/09.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017. PEDREIRA, M. L. G.. Práticas de enfermagem baseadas em evidências para promover a segurança do paciente. Acta Paulista Enfermagem, São Paulo, v. 22, n. especial, p. 880-81, 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ape/v22nspe/07.pdf>. Acesso em: 04 nov 2016. PIRES, M. P. O.; PEDREIRA, M. L. G.; PETERLINI, M. A. S. Cirurgia segura em pediatria: elaboração e validação de checklist de intervenções pré-operatórias. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 5, 08 telas, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n5/pt_0104-1169-rlae-21-05-1080.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017. PORTO, S. et al.. A magnitude financeira dos eventos adversos em hospitais no Brasil. Rev Port Saúde Pública, v. 10, p. 74-80, 2010. Disponível em: <http://apps.elsevier.es/watermark/ctl_servlet?_f=10&pident_articulo=13189860&pident_usu ario=0&pcontactid=&pident_revista=323&ty=117&accion=L&origen=elsevierpt%20&web= www.elsevier.pt&lan=pt& fichero=323vVol%20Temat(10)n00a13189860pdf001.pdf>. Acesso em: 12 set. 2017. REIS, A. T.; SILVA, C, R, A. Segurança do paciente. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. J, eRE020316, 2016. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000301002>. Acesso em: 08 abr. 2017. RIGOBELLO, M. C. G. et al. Clima de segurança do paciente: percepção dos profissionais de enfermagem. Acta Paulista Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 5, p.728-35, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n5/13.pdf>. Acesso em: 01 nov. 2016. ROSA, R. T. et al. Segurança do paciente na práxis do cuidado de Enfermagem: percepção de enfermeiros. Cienc. Enferm., Concepcion, v. 21, n. 3, p. 37-47, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.cl/pdf/cienf/v21n3/art_04.pdf>. Acesso em: 09 abr. 2017. SANTANA, H. T. et al. A segurança do paciente cirúrgico na perspectiva da vigilância sanitária - uma reflexão teórica. Vig Sanit Debate, Manguinhos, v. 2, n. 2, p. 34-42, 2014. Disponível em:< https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/124>. Acesso em: 15 abr. 2017. SANTIAGO, T. H. R.; TURRINI, R. N. T. Cultura e clima organizacional para segurança do paciente em Unidades de Terapia Intensiva. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 49, n. esp., p. 123-30, 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342015000700123>. Acesso em: 26 abr. 2017. SCHWONKE, C. R. G. B. et al. Cultura de segurança: a percepção dos profissionais de enfermagem intensivistas. Enferm. Glob, v. 15, n. 41, p. 220-232, 2016. Disponível em:< http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n41/pt_administracion3.pdf>. Acesso em: 16 set.. 2017. SILVA, A. T. et al. Assistência de enfermagem e o enfoque da segurança do paciente no cenário brasileiro. Saúde e Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 111, p. 292-301, 2016. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v40n111/0103-1104-sdeb-40-111-0292.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017. SILVA, D. C.; ALVIM, N. A. T. Ambiente do Centro Cirúrgico e os elementos que o integram: implicações para os cuidados de enfermagem. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 63, n. 3, p. 427-434, 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034- 71672010000300013&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 12 abr. 2017. SILVA, L. D.; CAMERINI, F. G. Análise da administração de medicamentos intravenosos em hospital da rede sentinela. Texto & Contexto Enferm., v. 21, n. 3, p. 633-641, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n3/v21n3a19.pdf>. Acesso em: 12 set. 2017. SILVA, L. G.; MATSUDA, L. M.; WAIDMAN, M. A. P. A estrutura de um serviço de urgência público, na ótica dos trabalhadores: perspectivas da qualidade. Texto Contexto Enferm, v. 21, n. 2, p. 320-328, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n2/a09v21n2.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017. SILVA, N. R. A segurança do paciente no cenário brasileiro: uma revisão integrativa. 2015. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Enfermagem, Universidade de Brasília, Ceilândia, 2015. Disponível em: <http://bdm.unb.br/handle/10483/10892>. Acesso em: 04 ago. 2016. SILVA, R. O. C.; BATISTA, K. M.; GRAZZIANO, E. S. Personalidade resistente nas equipes médica e de enfermagem em centro cirúrgico. Rev. SOBECC, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 214-218, 2014. Disponível em:< https://www.researchgate.net/publication/300082481_Personalidade_resistente_nas_equipes_ medica_e_de_enfermagem_em_centro_cirurgico>. Acesso em: 12 abr. 2017. SIMAN, A. G. Práticas de profissionais de saúde na implantação do programa de segurança do paciente: entre o prescrito e o real. 2016. 190 f. Tese (Doutora em Enfermagem) - Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, 2016. Disponível em:< http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/ANDOAHRJRM/andreia_guerra_siman.pdf?sequence=1>. Acesso em: 20 set. 2017. SOUZA, F. T. et al. Percepção da enfermagem sobre os fatores de risco que envolvem a Segurança do paciente pediátrico. Rev Enferm UFSM, v. 4, n. 1 p. 152-162, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/8781>. Acesso em: 18 set. 2017. SOUZA, R. F. F.; SILVA, L. D. Estudo exploratório das iniciativas acerca da segurança do paciente em hospitais do Rio de Janeiro. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 22-28, 2014. Disponível em:< http://docplayer.com.br/4813599-Estudo-exploratorio-dasiniciativas-acerca-da-seguranca-do-paciente-em-hospitais-do-rio-de-janeiro.html>. Acesso em: 06 abr. 2017. TRIVIÑOS, A. N. S.. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. TRONCHIN, D. M. R.; MELLEIRO, M. M.; TAKAHASHI, R. T.. A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem. In: KURCGANT, Paulina et al (Org.). Gerenciamento em Enfermagem. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. Cap. 7. p. 71-83. UFTM. Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Hospital de Clínicas. Nossa História. 2016. Disponível em: http://www.ebserh.gov.br/web/hc-uftm/historia Acesso em: 08 Set 2016. UMAE. Unidade de Monitoramento Avaliação e Estatística da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Quantitativo de cirurgias do bloco cirúrgico no 1º semestre de 2017. Uberaba, 2017. UMAE. Unidade de Monitoramento Avaliação e e Estatística da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Quantitativo de cirurgias realizadas por especialidade em 2016. Uberaba, 2016. URBANETTO, J. S.; GERHARDT. L. M. Segurança do paciente na tríade assistência ensino pesquisa (Editorial). Rev. Gaúcha Enferm., Florianópolis, v. 34, n. 3, p.8-9, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n3/a01v34n3.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2017. VENDRAMINI, R. C. R. et al. Segurança do paciente em cirurgia oncológica: experiência do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo, v. 44, n. 3, p. 827-32, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n3/39.pdf>. Acesso em: 04 ago. 2016. WACHTER,R.M. Compreendendo a segurança do paciente. Porto Alegre: 2ed. Artmed,2013. 478p.. Disponível em :<https://books.google.com.br/books?id=LWQ3AgAAQBAJ&pg=PA413&lpg=PA413&dq= LIVRO+ROBERT+WACHTER+DISPONIVEL+NA+INTERNET&source=bl&ots=sBupbfd Wye&sig=gtt6ycdeq_on0YSzBPDvI0eeIEk&hl=ptBR&sa=X&ved=0ahUKEwiHiJecnb7XAhUMHpAKHbfQBQEQ6AEIQTAF#v=onepage&q =LIVRO%20ROBERT%20WACHTER%20DISPONIVEL%20NA%20INTERNET&f=false > Acesso em: 04 ago. 2016. WEGNER, W.; PEDRO, E. N. R. A segurança do paciente nas circunstâncias de cuidado: prevenção de eventos adversos na hospitalização infantil. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 20, n. 3, p. 8 telas, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n3/pt_a02v20n3.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017. WEGNER, W. et al. Educação para cultura da segurança do paciente: Implicações para a formação profissional. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, e20160068, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n3/1414-8145-ean- 20-03-20160068.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2016. WEISER, T. G. et al. An estimation of the global volume of surgery: a modelling strategy based on available data. Lancet, v. 372, n. 9633, p. 139-44, 2008. Disponível em: < http://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(08)60878-8.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2016. WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. 55ª Assembleia Mundial de Saúde: Resolução WHA 55.18 de 18 de maio de 2002. Genebra, 2002. Disponível em: <http://www.who.int/patientsafety/about/wha_resolution/en/>. Acesso em: 05 mar. 2017. WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Patient Safety: Rapid Assessment Methods for Estimating Hazards. Genebra; 2003. Disponível em: < http://www.who.int/patientsafety/activities/system/en/rapid_assessment_methods.pdf> Acesso em: 12 set. 2017. WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Summary of the evidence on patient safety: implications for research. Geneva: WHO, 2008. Disponível em:< http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/43874/1/9789241596541_eng.pdf>. Acesso em: 08 set. 2017. WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO guidelines for safe surgery: safe surgery saves lives. Geneva: WHO, 2009. 133 p. Disponível em:< http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44185/1/9789241598552_eng.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2017. WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Safe Surgery: Why safe surgery is important. Geneva: WHO, 2012. Disponível em:< http://www.who.int/patientsafety/safesurgery/en/>. Acesso em: 05 mar. 2017.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectSegurança do paciente.por
dc.subjectLista de checagem.por
dc.subjectCentros cirúrgicos.por
dc.subjectGestão de segurança.por
dc.subjectPatient safety.eng
dc.subjectCheck list.eng
dc.subjectSurgi centers.eng
dc.subjectSafety Management.eng
dc.subjectSeguridad del paciente.spa
dc.subjectLista de verificación.spa
dc.subjectCentros quirúrgicos.spa
dc.subject.cnpqEnfermagem Médico-Cirúrgicapor
dc.titleA cultura de segurança do paciente na perspectiva dos profissionais de saúde de um bloco cirúrgicopor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Atenção à Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Thais P Caixeta.pdfDissert Thais P Caixeta2,59 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons