Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/706
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorCECÍLIO, Leisa Barros-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3503809082220862por
dc.contributor.advisor1JOÃO, Iraci de Souza-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8881598234090650por
dc.date.accessioned2019-06-26T19:46:39Z-
dc.date.issued2018-10-15-
dc.identifier.citationCECÍLIO, Leisa Barros. Análise da atuação dos Núcleos de Inovação Tecnológica como promotores da política de inovação nas Instituições Científica, Tecnológica e de Inovação Federais. 2018. 142f . Dissertação (Mestrado em Administração Pública) - Programa de Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2018 .por
dc.description.resumoA Lei de Inovação (LI), promulgada em 2004, e reiterada pelo Marco Legal de Ciência Tecnologia e Inovação em 2016, estabeleceu que as Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICT) criassem os Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) para gerir suas respectivas políticas de inovação, bem como para estimular a interação entre ICT, empresas e governo. Nesse contexto, a pesquisa teve como objetivo avaliar a atuação dos NIT no cumprimento das competências determinadas pela Lei de Inovação, caracterizando a atuação dos Núcleos de Inovação Tecnológica das ICT federais conforme aspectos de sua gestão e estrutura e identificando as práticas empreendidas para a gestão dos Núcleos de Inovação Tecnológica, que se mostraram mais bem-sucedidos no cumprimento de suas competências. A pesquisa foi conduzida por meio de um levantamento de dados (survey), com caráter exploratório e constituída como aplicada, sendo realizada em duas fases. A metodologia envolveu uma abordagem qualitativa e quantitativa, em que foram empregadas técnicas de estatística descritiva para análise dos dados. Nesse sentido, mesmo com a presença de gargalos, os resultados aqui obtidos evidenciam que a política pública de criação dos NIT gerou impacto positivo na medida em que mais descobertas foram protegidas e licenciadas.por
dc.description.abstractThe Innovation Law (LI) was created in 2004 and reiterated by the Marco Legal in 2016. It established the mandatory creation of Technological Innovation Centers (NIT) in schools, in order to manage the schools’ innovation policies, as well as stimulate the interaction among schools, the government and the private sector. In this context, the objective of the research was to evaluate the performance of NIT in the fulfillment of the competencies determined by the Innovation Law, characterizing the actions of the Technological Innovation Centers of the Federal Technological Scientific Institutions and Innovation (ICT) according to aspects of their management and structure and identifying the practices undertaken for the management of NIT, which proved to be more successful in fulfilling their competences. The research was conducted by means of a data survey, with exploratory character and constituted as applied, being carried out in two phases. The methodology involved a qualitative and quantitative approach, in which descriptive statistical techniques were used to analyze the data. Even with the presence of bottlenecks, the results presented here by evidence that the public policies which culminated with the creation of NIT had a positive impact, as it can be observed by the an increasing number of protection and licensing of innovative solutions.eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://bdtd.uftm.edu.br/retrieve/4495/Dissert%20Leisa%20B%20Cec%c3%adlio.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Triângulo Mineiropor
dc.publisher.departmentPró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduaçãopor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFTMpor
dc.publisher.programPrograma de Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacionalpor
dc.relation.referencesALBUQUERQUE, L. C.; ROCHA NETO, I. Ciência, tecnologia e regionalização:descentralização, inovação e tecnologias sociais. Rio de Janeiro: Garamond, 2005. ALEXANDRE, N. M. C; COLUCI, M. Z. O. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 7, p. 3061-3068, jul. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232011000800006&lng=en&nrm=isso>. Acesso em: 13 jul. 2018. AMADEI, J. P.; TORKOMIAN, A. L. V. As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas (1995-2006). Ciênc. Inf., Brasília, DF, v. 38, n. 2, p. 9-18, ago. 2009. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1241>. Acesso em:07 maio 2018. ARBIX, G.; CONSONI, F. Inovar para transformar a universidade brasileira. Rev. Bras. Ciênc. Soc., São Paulo, v. 26, n. 77, p. 205-224, out. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 69092011000300016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 07 maio 2018. ASSUMPÇÃO, F. C. et al. Estruturação e planejamento de núcleos de inovação tecnológica. Florianópolis: PRONIT- Implantação e estruturação do arranjo catarinense de Núcleos de Inovação, 2010. BAGNATO, V. S.; ORTEGA, L. M.; MARCOLAN, D. Guia Prático II:transferência de tecnologia parcerias entre universidade e empresa. São Paulo: Agência USP de Inovação, 2014. 20 p. Disponível em: <http://www.inovacao.usp.br/wpcontent/ uploads/sites/300/2017/10/cartilha_TT_bom.pdf>. Acesso em: 13 de ago. 2018. BAHIA, D. S.; SAMPAIO, A. V.Diversificação e especialização produtiva na geração de inovação tecnológica: uma aplicação para os estados brasileiros. Rev. Admin. Inov., São Paulo, v. 12, n. 3, p. 109-134, sep. 2015. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rai/article/view/101348>. Acesso em:07 maio 2018. BARBOSA, D. B. Direito da inovação: comentários à Lei 10.973/2004: Lei Federal da Inovação. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011 BLOCH, C. Measuring public innovation in the Nordic countries: Final Report, 2011. Disponível em: <http://www.nordicinnovation.org/Global/_Publications/Reports/2011/201102_MEPIN_repor t_web.pdf>. Acessoem: 08 maio 2018. BONACCORSI, A.; PICCALUGA, A.A. Theoretical framewok for the evoluation of university-industry relationships. R&D Manag., Oxford, v.24, n.3, p. 229-247, Jul. 1994. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1467- 9310.1994.tb00876.x>. doi:10.1111/j.1467-9310.1994.tb00876.x. Acesso em: 10 maio 2018. BRANDAO, S. M.; BRUNO-FARIA M. F. Inovação no setor público: análise da produção científica em periódicos nacionais e internacionais da área de administração. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro,v. 47, n. 1, p. 227-248, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 76122013000100010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:07 maio 2018. BRANDAO NETO, N.; OLIVEIRA, L. H. Proposta de um método para uma atuação proativa na gestão da inovação tecnológica em uma instituição pública de pesquisa aeroespacial. J. Aerosp. Technol. Manag., São José dos Campos, v. 2, n. 2, p. 237-246, ago. 2010. Disponível em: <http://www.jatm.com.br/papers/vol2_n2/JATMv2n2_p237246_Proposal_of_a_method_to_a _proactive_action_in_the_technological_innovation_management_in_an_aerospace_public_r esearch_institution.pdf>. Acesso em 11 jul. 2018. BRASIL. Decreto nº 5.224 de 1º de outubro de 2004. Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.Lex, Brasília, DF, 4out. 2004. ______. Decreto nº 9.283, de 7 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016, o art. 24, § 3º, e o art. 32, § 7º, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, o art. 1º da Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, e o art. 2º, caput, inciso I, alínea "g", da Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e altera o Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional.Lex, Brasília, DF, 8 fev. 2018. ______. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Lex, Brasília, DF, 14 maio 1996. ______. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Lex, Brasília, DF, 3 dez. 2004. ______. Lei nº11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.Lex, Brasília, DF, 30 dez. 2008. ______. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011.Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2odo art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Lex,Brasília, DF, 18 nov. 2011. ______. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei no 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei no 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei no 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei no12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional no 85, de 26 de fevereiro de 2015. Lex. Brasília, DF, 12 jan. 2016. BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Plano de Ação:Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional (PACTI 2007-2010). Brasília, DF, 2007. ______. Estratégia Nacional de Ciência, tecnologia e inovação – INCTI 2012-2015: Balanço das Atividades Estruturantes. Brasília, DF, 2012. ______. MCTI. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Relatório Formict 2006 a 2014: Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil. Brasília, DF, 2015. ______. MCTI. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação - INCTI 2016-2019. Brasília, DF, 2016. BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. D.O.U., Brasília, p. 44 a 46, 24 mai. 2016. BUENO, A.; TORKOMIAN, A. L. V. Financiamentos à inovação tecnológica: Reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais. Rev. Admin. Inov., São Paulo, v. 11, n. 4, p. 135-158, jan. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/100276>. Acesso em: 11 jul. 2018. CAMPANARIO, M. A. Tecnologia, innovación y sociedad. In: ORGANIZACIÓN DE ESTADOS IBEROAMERICANOS PARA LA EDUCACIÓN, LA CIENCIA Y LA CULTURA. Sala de lectura CTS+I. [S.l.], 2002. Disponível em: <https://www.oei.es/historico/salactsi/milton.htm>. Acesso em: 14 maio 2018. CAMPOS, H. D. et. al. Fatores Facilitadores da Inovação no Serviço Público. Rev. Cient. Multidiscip. Núcleo Conhecimento, São Paulo, 6.ed, ano 02, vol. 01, p. 601-619, set. 2017. Disponível em: <https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/inovacao-noservico- publico>. Acesso em: 11 jul. 2018. CARVALHO, E. M. P; GOTTEMS, L.B.D; PIRES, M.R.G.M. Adesão às boas práticas na atenção ao parto normal: construção e validação de instrumento. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 49, n. 6, p. 889-897, Dec. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080- 62342015000600889&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 jul.. 2018. CASALI, G. F. R.; SILVA, O. M.; CARVALHO, F. M. A. Sistema regional de inovação: estudo das regiões brasileiras. Rev. econ. contemp., Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 515-550, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141598482010000300004&script=sci_abstract&tlng= pt>. Acesso em: 11 jul. 2018. CASTRO, B. S.; SOUZA, G.C. O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas Universidades Brasileiras. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.125-140, mar.2012. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/262487294_O_papel_dos_Nucleos_de_Inovacao_ Tecnologica_NITs_nas_universidades_brasileiras>. Acesso em: 14 maio 2018. CHAIMOVICH, H. Por uma relação mutuamente proveitosa entre universidade de pesquisa e empresas. Rev. Adm. Fac. Econ., Adm. Contab., Univ. São Paulo, São Paulo, v.34, n.4, p.18-22, dez. 1999. Disponível em: <http://200.232.30.99/download.asp?file=V4002172.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2018. CLOSS, L. et al. Intervenientes na transferência de tecnologia universidade-empresa: o caso PUCRS. Rev. Adm. Contemp., Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 59-78, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rac/v16n1/a05v16n1>. Acesso em: 14 maio 2018. CORREIA, M.E.A. Ciência e inovação transformando a sociedade. In:SEMANA CIENTÍFICA JOHANNA DÖBEREINER, 17,2017, Seropédica, RJ. Caderno de resumos. Seropédica, RJ: Embrapa Agrobiologia, 2017.p. 1-54. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/169990/1/ANAIS-SEMANA-JD- 2017-LAYOUT-CADERNO-DE-RESUMOS.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018. COSTA, A. B. Teoria econômica e política de inovação. Rev. Econ. Contemp., Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 281-307, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rec/v20n2/1415-9848-rec-20-02-00281.pdf>. Acesso em: 14 maio 2018. CZELUSNIAK, V. A. Trabalho de conclusão de curso e inovação tecnológica em instituição de ciência e tecnologia: aspectos jurídicos e fáticos.2010. 165 f.Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba. 2010. Disponível em: http://files.dirppg.ct.utfpr.edu.br/ppgte/dissertacoes/2010/ppgte_dissertacao_306_2010.pdf Acesso em: 14 maio 2018. DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Como a USP transfere tecnologia? Organ. Soc., Salvador, v.21, n.70, p.489-508, 2014. DE NEGRI, J. A.; KUBOTA, L. C. (Org.) Políticas de incentivo à inovação tecnológica. Brasília, DF: IPEA, 2008. DINIZ, D. M.; NEVES, R. C. Universidade federal, política de inovação e núcleos de inovação tecnológica: sua interação em face do Marco Legal de Inovação. In: GONÇALVES, Everton das Neves; KNOERR, Fernando Gustavo; CLARK, Giovani (Coord.). Transformações na ordem social e econômica e regulação. Florianopólis: Conpedi, 2017. EDQUIST, C. The systems of innovation approach and innovation policy: an account of the state of the art. In: DRUID CONFERENCE, 2001, Aalborg. National Systems of Innovation, Institutions and Public Policies,Aalborg, June 12-15, 2001.Disponível em: <http://www.obs.ee/~siim/seminars/edquist2001.pdf>. Acessoem: 14 maio 2018. ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF L. University an the global knowledgeeconomy: a triple helix of university-industry-government relations. London: Printer, 1997. FRACASSO, E. M.; SANTOS. Modelos de transferência de tecnologia da universidade para a empresa. Perspect. Econ., São Leopoldo, RS, v. 27, p. 57-66, 1992. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/perspectiva_economica/issue/archive?issuesPage=2#iss ues>. Acessoem: 14 maio 2018. FERRARESI, A. A et al. Knowledge management and strategic orientation: leveraging innovativeness and performance. J. Knowl. Manage., v. 16, n. 5, p. 688-701, 2012. Disponível em: <http://hajarian.com/esterategic/tarjomeh/2-91/new/haddadi.pdf>. Acesso em: 14 maio 2018. FERREIRA, R. A.; ROCHA, E. M. P.; CARVALHAIS, J. N.Inovações em organizações públicas: estudo dos fatores que influenciam um ambiente inovador no estado de Minas Gerais. Rev. Adm. Inov.,São Paulo, v. 12, n. 3, p. 07-27, 2015. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rai/article/view/100929>. Acessoem: 07 maio 2018. FRIEDMAN, J.; SILBERMAN, J. University technology transfer: Do incentives, management and location matter? J. Technol. Transf.,Indianópolis, USA, v. 28, p. 17-30, 2003. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1023/A:1021674618658. Acesso em: 07 maio 2018. FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. FORTEC. Associação Fórum Nacional de gestores de inovação e transferência de tecnologia. Estatuto, 2006. FREEMAN, C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Camb. J. Econ., London, GB, v. 19, p. 5-24, 1995.Disponível em: <http://www.ie.ufrj.br/intranet/ie/userintranet/hpp/arquivos/101120164328_Freeman1995The NationalSystemofInnovationinHistoricalPerspectiveCamb.J.Econ.524.pdf>. Acessoem: 07 maio 2018. GEOGHEGAN W.; PONTIKAKIS, D. From ivory tower to factory floor? How universities are changing to meet the needs of industry. Sci.PublicPolicy, London, GB, v. 35, n. 7, p. 462- 474, 2008. Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/4145860.pdf>. Acesso em: 14 maio 2018. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017. GOERGEN, P. Ciência, sociedade e universidade. Educ. Soc., Campinas, v. 19, n. 63. p. 53- 79, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 73301998000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>.Acesso em: 14 maio 2018. GOUVEIA, L.; ABDALLA, M. M.; CALVOSA, M. V. D. Hélice Tríplice no Brasil: a entrada das Universidades nas Parcerias Público-Privadas. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 22, 2009, São Paulo. São Paulo: FEA/USP, 2009. Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/12semead/resultado/trabalhosPDF/850.pdf>. Acesso em: 14 maio 2018. GUBIANI, J. S. et al. A transferência para o mercado do conhecimento produzido na pesquisa acadêmica. Rev. Gest. Tecnolo., Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 114-124, dez. 2013. Disponível em: <http://navus.sc.senac.br/index.php/navus/article/viewFile/147/112>. Acessoem: 14 maio 2018. HARTLEY, J. Public and private features of innovation. In: OSBORNE, S.; BROWN, L. (Ed.).Handbook of innovation in public services. Massachusetts,USA: Edward Elgar, 2013. KUPFER, D.; TIGRE, P. B. Modelo SENAI de prospecção: documento metodológico. Capítulo 2: prospecção tecnológica. In: ORGANIZACION INTERNACIONAL DEL TRABAJO CINTERFOR. Papeles de la oficina técnica. Montevideo: OIT/CINTERFOR, v.3, n. 14, p. 17-35, 2004. Disponível em: <https://www.oitcinterfor.org/sites/default/files/file_publicacion/papeles_14.pdf>. Acesso em: 25 agosto 2018. LIMA, D. H.; VARGAS, E. R. Estudos Internacionais sobre Inovação no Setor Público: como a teoria da inovação em serviços pode contribuir? Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v.46, n.2, p. 385-401, abr. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003476122012000200003&script=sci_abstract&tlng= pt>. Acesso em: 14 maio 2018. LOTUFO, R. A. A. Institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a Experiência da Inova Unicamp. In: SANTOS, M. E. R. dos; TOLEDO, P. T. M. de; LOTUFO, R. de A. (Org.) Transferência de Tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi, 2009.p.41-74. Disponível em: <https://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de %20tecnologia_0.pdf>.Acesso em: 14 maio 2018. LUNDVALL, B. A. Políticas de inovação na economia do aprendizado. Parcerias Estratég.,Brasília, DF, v. 30, n. 10, p. 200-218, 2001. Disponível em: <http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/149/143>. Acessoem: 14 maio 2018. ______. National innovation systems: towards a theory of innovation and a interactive learning.Londres: Pinter, 1992. LUNDVALL, B. A. et al. National systems of production, innovation and competence building. Res. Policy, Denmark, v. 31, n. 2, p. 213-231, 2002. Disponível em: <http://www.obs.ee/~siim/seminars/lundvall%2B2002.pdf>. Acesso em: 14 maio 2018. MACHADO, H. P. V.; SARTORI, R.; CRUBELLATE, J. M. Institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica em Instituições de Ciência e Tecnologia da Região Sul do Brasil. REAd. Rev. Eletronica. Adm., Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 5-31, Dec. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141323112017000300005&lng=en &nrm=iso>. Acessoem: 14 maio 2018. MALERBA, F. Sectorial systems of innovation and Technology Policy. Rev. Bras. Inov., Campinas, v. 2, n. 2, p. 329-375, 2009. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648876>. Acesso em: 14 maio 2018. MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010. MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001. MAZZUCATO, Mariana. O estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público x setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2014. MEDEIROS, J. A.; PERILO, S. A. Implantação e consolidação de um pólo tecnológico: o caso de São José dos Campos. Rev. Adm. Empres. São Paulo, v. 30, n. 2, p. 35-45, jun. 1990. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901990000200004>. Acesso em: 14 Maio 2018 MELO, P. A. A transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev. Prod. Online, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 1-24, 2005. Disponível em: <https://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/352/439>. Acessoem: 14 maio 2018. MIOTTI, L; SACHWALD, F. Co-operative R&D: why and with whom? An integrated framework of analysis. Res. Policy, Amsterdam, v. 32, p. 1481-1499, 2003.Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048733302001592>. Acessoem: 14 maio 2018. MORA-VALENTIN, E. M., MONTORO-SANCHEZ, A., GUERRA-MARTIN, L. A. Determinig factors in the success of R&D cooperative agreements between firms and research organizations. Res.Policy, Amsterdam, v. 33, n. 1, p. 17-40, 2004.Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048733303000878>.Acesso em: 14 maio 2018. MUELLER, S. P. M.; PERUCCHI, V. Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspect. Ciênc. Inf., Belo Horizonte, v. 19, n. 2, p. 15-36, jun. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1828>. Acessoem: 14 maio 2018. MULGAN, G. ALBURY, D. Innovation in the Public Sector. London: Cabinet Office Strategy Unit, 2003. Disponível em: <http://www.sba.oakland.edu/faculty/mathieson/mis524/resources/readings/innovation/innova tion_in_the_public_sector.pdf>. Acessoem: 14 maio 2018. NELSON, R.R. (Ed.). National innovation systems: a comparative analysis. New York: Oxford University Press, 1993. ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OCDE. Proposed guidelines for collecting and interpreting innovation data (Oslo Manual). Paris: 1992. ______. National Innovation systems. Paris, 1997. ______. Oslo Manual: Guidelines for Collecting and Interpreting Innovation Data. OCDE publishing, 3rd Edition, Paris, 2005. PASQUALI, L. Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Rev. Psiquiatr. Clín., São Paulo, v. 25, n. 5, p. 206-213, 1998. Edição Especial. Disponível em:<https://pt.scribd.com/document/275033230/Pasquali-Principios-de-Elaboracao-de- Escalas-Psicologicas>.Acessoem: 14 maio 2018. PEREIRA, R.M; RODRIGUES, M. S; OLIVEIRA, E.A.A.Q. O Papel das Agências de Inovação Acadêmicas para o Desenvolvimento Tecnológico. RevAdm. FATEA ,Lorena, v. 10, n. 10, p. 6-141, jun, 2015.Disponível em: <http://publicacoes.fatea.br/index.php/raf/article/view/1334/1018>. Acesso em: 14 maio 2018 PINSKY, V. C. et al. Inovação sustentável: uma perspectiva comparada da literatura internacional e nacional. Rev. Adm. Inov., São Paulo, v. 12, n. 3, p. 226-250, set. 2015.Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/101486>. Acesso em: 14 maio 2018. PIRES, E. A.: QUINTELLA, C. M. A. T. Política de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia nasUniversidades: uma perspectiva do NIT da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Holos, Natal, v. 6, n. 31, p. 178-195, 2015.Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/3600/1222. Acesso em: 11 maio 2018. PLONSKI, G. A. Cooperação universidade-empresa: um desafio gerencial complexo. Rev. Adm. Fac. Econ., Adm. Contab., Univ. São Paulo, São Paulo, v.34, n.4, p.5-12, 1999. Disponível em: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/18143/cooperacao-universidadeempresa-- um-desafio-gerencial-complexo>. Acessoem: 11 maio 2018. POLIT D. F.; BECK C.T. The content validity index: are you sure you know what’s being reported? Critique and recommendations. Res Nurs Health. v. 29, n. 5, p. 489-97, 2006. Disponívelem: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/nur.20147>. Acesso em: 15 de maio 2018. PORTO, G. S. A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação empresa-universidade. Tese de Doutorado em Administração defendida na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.Disponível em: <file:///C:/Documents%20and%20Settings/usuario/Meus%20documentos/Downloads/tde.pdf >. Acesso em: 11 maio 2018. QUANDT, C. O. Redes de Cooperação e Inovação Localizada: estudo de caso de um arranjo produtivo local.Rev. Adm. Inov., São Paulo, v. 9, n. 1, p.141-166, abr.2012. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=97323672009>. Acesso em: 11 maio 2018. RAEDER, S. Geografia e inovação tecnológica. Mercator (Fortaleza), Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 77-90, jun. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/mercator/v15n2/19842201- mercator-15-02-0077.pdf>. Acesso em: 11 maio 2018. RAUEN, C.V. O novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICTempresa? Radar.Teutônia, RS, v. 43, p. 21-35, 2016. Disponível em: < http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6051/1/Radar_n43_novo.pdf> Acesso em: 11 maio 2018. REIMANN, C.; FILZMOSER, P.; GARRETT R.; DUTTER R. Statistical data analysis explained. Applied environmental statistics with R. 1 ed. Chichester: John Wiley 8 Sons, 362 p, 2008. ROCHA, E. M.P; DUFLOTH, S. C.Análise comparativa regional de indicadores de inovação tecnológica empresarial: contribuição a partir dos dados da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. Perspect. Ciênc. Inf., Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 192-208, mar. 2009. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/710>.Acesso em: 11 maio 2018 ROCZANSKI, C.; MELO, P. Análise da atuação dos Núcleos de Inovação Tecnológica nas Universidades em Santa Catarina, à luz da Lei de Inovação. Cidesp - Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público, Brasil, set. 2017.Disponível em: <http://cidesp.com.br/index.php/Icidesp/1cidesp/paper/view/233/139>.Acesso em: 11 maio 2018 RODRIGUES, F. C. R.; GAVA, R. Capacidade de apoio à inovação dos institutos federais e das universidades federais no estado de minas gerais: um estudo comparativo. REAd. Rev. eletrôn. adm. (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 26-51, abr..2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141323112016000100026&lngnm =iso>. Acesso em: 11 maio 2018. SANTANA, E. E. P.; PORTO, G. S. E agora, o que fazer com essa tecnologia? Um estudo multicaso sobre as possibilidades de transferência de tecnologia na USP-RP. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 13, n. 3, p. 410-429, set. 2009. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S141565552009000300005>. Acessoem: 11 maio 2018. SANTORO, M. D.; BETTS, S. C. Making industry-university partnerships work. Res.Technol. Manage.,Lancaster, Pa,v. 45, n. 3, p. 42-46, 2002. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/279604314_Making_Industry- University_Partnerships_Work>. Acessoem:11 maio 2018. SANTORO, M. D.; CHAKRABARTI, A. K. Firm size and technology centrality in industryuniversity interactions. Res.Policy, Amsterdam, NL, v. 31, p. 1163-1180, 2002. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/4243/27c6c22e48e52842fb032c2bba02e48a595a.pdf>.Aces so em: 11 maio 2018. SANTOS, D.A.; BOTELHO, L.; SILVA, A.N.S. Ambientes Cooperativos no Sistema Nacional de Inovação: o Suporte da Gestão do Conhecimento. UFSC, 2006.Disponível em: <http://www.ngs.ufsc.br/wpcontent/uploads/2010/05/SORATTO_SANTOS_BOTELHO_200 6.pdf>. Acesso em: 11 maio 2018. SANTOS, M. E. R. Boas práticas de gestão em Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT). In: TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA: Estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi, p.75-108, 2009.Disponível em: <https://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de %20tecnologia_0.pdf>. Acesso em: 11 maio 2018. SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988. SEGATTO-MENDES, A. P.; MENDES, N. Cooperação tecnológica universidade-empresa para eficiência energética: um estudo de caso. Rev. Adm. Contemp., Curitiba, v. 10, n. 3, p. 53-75, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415- 65552006000500004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 11 maio 2018. SEGATTO-MENDES, A. P.; ROCHA, K. C. Contribuições da teoria de agência ao estudo dos processos de cooperação tecnológica Universidade-empresa. Rev. Adm., v. 40, n. 2, p. 172-183, 2005. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/16838/contribuicoesda- teoria-de-agencia-ao estudo-dos-processos-de-cooperacao-tecnologica-universidadeempresa. Acesso em: 11 maio 2018. SEGATTO-MENDES, A. P., SBRAGIA, R. O Processo de cooperação Universidadeempresa em Universidades Brasileiras. PLONSKI, G. A. Cooperação universidade-empresa: um desafio gerencial complexo. Rev. Adm. Fac. Econ., Adm. Contab., Univ. São Paulo, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 58-71, 2002. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Andrea_Segatto2/publication/311426283_O_processo_ de_cooperacao_universidadeempresa_ em_universidades_brasileiras/links/58468d9308aeda69681edc0e/O-processo-decooperacao- universidade-empresa-em-universidades-brasileiras.pdf>. Acesso em: 11 maio 2018. SELLTIZ, C.;WRIGUTSMANN, L.; COOK, S. Métodos de pesquisa nas relações sociais (3a ed.) São Paulo: Herder, 1974. SOUZA, A. C. M. M. Gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Florianópolis, dezembro, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/26132/5.26.pdf?sequence=1&i sAllowed=y>. Acessoem: 11 maio 2018. SOUSA, M. M. et al. Portraying innovation in the public service of Brazil: Frameworks, systematization and characterization. Rev. Adm., São Paulo, v. 50, n. 4, p. 460-476, Dec.2015.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008021072015000400460&lng=en &nrm=iso>. Acessoem: 11 maio 2018. TETHER, B. S. Who co-operates for innovation, and why: an empirical analysis. Res. Policy, Amsterdam, NL,v. 31, p. 947-967, 2002.Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S004873330100172X?via%3Dihub>. Acesso em: 12 maio 2018. TIGRE, P. B. Gestão da inovação: A economia da tecnologia do Brasil. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais:Pesquisa Qualitativa em Educação,1 ed. São Paulo: Atlas, 2008. TORKOMIAN, A. L. V. Panorama dos núcleos de inovação tecnológica no Brasil. In: SANTOS, M. E. R.; TOLEDO, P. T. M.; LOTUFO, R. A. (Org.). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica. Campinas, SP: Komedi. p. 21-39, 2009.Disponível em: <https://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de %20tecnologia_0.pdf>. Acessoem: 07 jul. 2018. WALKER, R.M. Innovation Type and Diffusion: An Empirical Analysis of LocalGovernment. PublicAdm., London, GB, v. 84, n. 2, p. 311–35. 2006. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1467-9299.2006.00004.x>. Acesso em: 07 jul. 2018. VAILATI, P.V.; TRZECIAK, D. S.; CORAL, E. (Orgs). Estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica: Modelo PRONIT. Blumenau: Nova Letra, 2012. 338p.Tecnológica nas ICTs de Santa Catarina. In: CONFERÊNCIA ANPROTEC, 26, 2016, Fortaleza, CE. Anais. Fortaleza, 2016. VALENTE, L. Hélice tríplice: metáfora dos anos 90 descreve bem o mais sustentável modelo de sistema de inovação. Conhecimento Inov., Campinas, v. 6, n. 1, 2010. Disponível em <http://inovacao.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198443952010000100002&lng =pt&nrm=iso>. Acesso em: 11 maio 2018. VILLELA, T. N.; MAGACHO, L. A. M. Abordagem histórica do Sistema Nacional de Inovação e o papel das Incubadoras de Empresas na interação entre agentes deste sistema. In: XIX SEMINÁRIO NACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESA, FLORIANÓPOLIS. Anais. Sebrae, p.13-21. 2009. Disponível em: http://www.genesis.puc-rio.br/media/biblioteca/Abordagem_historica.pdf. Acesso em: 13 maio 2018. ZAMPIERI, N. L. V. Modelo de Desenvolvimento para um Sistema Regional de Empreendedorismo e Inovação – MSREI. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão Industrial) – Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial, Universidade de Aveiro, Portugal, 2015. Disponível em: <https://ria.ua.pt/handle/10773/17174>. Acesso em: 13 maio 2018.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectInovação.por
dc.subjectSistema Nacional de Inovação.por
dc.subjectNúcleos de Inovação Tecnológica.por
dc.subjectTransferência de Tecnologiapor
dc.subjectInnovation.eng
dc.subjectInnovation System.eng
dc.subjectTechnological Innovation Centers.eng
dc.subjectTechnology transfer.eng
dc.subject.cnpqCiências Sociais Aplicadaspor
dc.titleAnálise da atuação dos Núcleos de Inovação Tecnológica como promotores da política de inovação nas Instituições Científica, Tecnológica e de Inovação Federaispor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Leisa B Cecílio.pdfDissert Leisa B Cecílio1,14 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons