Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/203
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorCUNHA, Rafael Carvalho-
dc.contributor.advisor1MALPASS, Geoffroy Roger PointerPOR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4326102798287137por
dc.date.accessioned2016-01-26T11:45:20Z-
dc.date.issued2015-07-01-
dc.identifier.citationCUNHA, Rafael Carvalho. Determinação da quantidade de óleo na água de escoamento superficial: simulação física de evento pluviométrico e da poluição por óleo lubrificante. 2015. 87f. Dissertação (Mestrado em Inovação Tecnológica) - Programa de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2015.por
dc.description.resumoO processo de urbanização vigente, de forma generalizada, é antagônico com a sustentabilidade ambiental, a qual promove o desenvolvimento de tecnologias ambientalmente racionais, minimizando impactos ambientais negativos das atividades antrópicas. Das mudanças da paisagem urbanadestaca-se o aumento considerável das áreas impermeáveis e passíveis de contaminação, onde a água e seus parâmetros físicos, químicos e biológicos são indicadores de sustentabilidade e sanidade ambiental. Se as águas pluviais incidirem sobre superfícies contaminadas, especificamente ruas e estacionamentos, o escoamento superficial pluvial pode limpar e carrear contaminantes, destacando óleo lubrificante “queimado”. Há diversos diplomas legais nacionais, que de forma genérica, determinam que efluentes oleosos devam obrigatoriamente ser tratados e recuperados, evitando assim impactos ambientais.Com a hipótese que as concentrações de óleos nos efluentes pluviais possuem comportamento semelhante aos outros poluentes, vide água de chuva de telhado, o presente estudo objetiva analisar: (a)concentração/carga poluente de óleo na água, (b) intervalo de tempo do pico máximo de concentração, (c) intervalo de tempo de relativa estabilização e, (d) efeito da limpeza química e mecânica. Foi elaborado modelo experimental de superfície impermeabilizada e mecanismo de escoamento superficial, e propostos e testados metodologias e delineamentos experimentais. Os teores de óleos nas amostras foram analisados através da metodologia padrão de extração Soxhlet, definindo a concentração por litro (mg/L) e a carga poluente em mg por minuto, devido a alteração da vazão entre os ensaios. Os resultados evidenciaram que em relação à concentração, há picos entre o 3º e 4º minuto, relativa estabilização no 10º minuto, vazão influencia a eficiência da limpeza proveniente do escoamento superficial, que 75% da carga poluente são removidos nos 10 primeiros minutos, e que há maior eficiência de remoção dos contaminantes através de limpeza química e mecânica.por
dc.description.abstractThe whole urbanization process is antagonistic to environmental sustainability, which promotes the development of environmentally sound technologies, and minimizes the negative environmental impacts of human activities. The landscape changes caused by urbanization are characterized by a considerable increase in the presence of impervious areas that are susceptible to contamination. When rainwater falls on contaminated surfaces, specifically in car parks, runoff can carry off a variety of contaminants. Focusing on lubricating oils, Brazilian legislation stipulates that oil-containing effluent must be treated before being discharged into the environment. With the assumption that the oil concentration in the effluent decreases over increased rain time, which is similar qualitative behavior to rainwater runoff from roofs, the present study aims to quantify the concentration / pollutant load of oil in simulated rainwater, time of pollutant maximum and the effect of chemical and mechanical treatment of the surface. In order to achieve this objective, it was necessary to develop an experimental model of an impervious surface, runoff, testing methodologies and experimental design. The contents of the sample oils were analyzed using the standard Soxhlet extraction method, defining the concentration per liter (mg / L) and the pollutant load (mg / min). The results observed with respect to the concentration demonstrate that there are peaks between 3 and 4 minutes and stabilization after 10 minutes. Flow influences the efficiency of cleaning from surface runoff, and 75% of the load is removed in the first 10 minutes, and contaminant removal efficiency is not improved by chemical and mechanical cleaning.eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://bdtd.uftm.edu.br/retrieve/788/Dissert%20Rafael%20C%20Cunha.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Triângulo Mineiropor
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências Tecnológicas e Exatas - ICTE::Programa de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológicapor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFTMpor
dc.publisher.programPrograma de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológicapor
dc.relation.referencesAGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS; MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE; SINDICATO DA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL - SÃO PAULO. Conservação e reuso da água em edificações. São Paulo, SP: Prol Editora Gráfica. 2005. 152 p. ANNECCHINI, K. P. V. Aproveitamento da Água da Chuva Para Fins Não Potáveis na Cidade de Vitória (ES). 2005.150 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.844: Instalações prediais de águas pluviais: procedimentos. Rio de Janeiro, 1989. 13 p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004: Resíduos sólidos: Classificação. Rio de Janeiro, 2004. 77 p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13.786: Posto de serviços: Seleção dos equipamentos para sistemas para instalações subterrâneas de combustível. Rio de Janeiro, 2005. 9 p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.527: Água de chuva: aproveitamento de cobertura em área urbana para fins não potáveis: requisitos. Rio de Janeiro, 2007, 12 p. ADUAN, R. E.; VILELA, M. DE F.; REIS JÚNIOR, F. B. DOS. Os Grandes Ciclos Biogeoquímicos do Planeta. 1. ed. Planaltina, DF: Embrapa Cerrado, 2004. 25 p. ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DE CIANORTE - APROMAC. Guia Básico - Gerenciamento de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados. [Cianorte, PR]: [s.n]. [2007?]. 64 p. BEZERRA, P. G. et al. Indicadores geoquímicos de contaminação por compostos orgânicos voláteis em águas subterrâneas da Bacia do Rio Lucaia, Salvador, BA. Revista Brasileira de Geociências, v. 42, n. s1, p. 238–244, dez. 2012. BRASIL. Decreto Nº 24.643, de 10 de junho de 1934. Decreta o Código das Águas. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, RJ. 27 jul. 1934. p. 29. BRASIL. Lei Nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 31 ago. 1981. p. 25. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 35. ed. Brasília, DF: Edições Câmara Brasília, 2012. p. 446. BRASIL. Lei Nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de 50 março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 8 jan. 1997. p. 13. BRASIL. Lei Nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 12 fev. 1998. p. 16. BRASIL (Ministério da Saúde), de 29 de dezembro de 2000. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências publicação. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 10 jan. 2001. 15. p. CAMARA, M. A.; PERES, B. R.; CHISTIANINI, R. Z. Manutenção e Lubrificação de Equipamentos:Óleos Lubrificantes Automotivos.Bauru: Faculdade de Engenharia de Bauru, 2010. p. 11. CAMPANHARO, W. A.; HOLLANDA, M. DE; CECÍLIO, R. DE A. Manejo de Bacias Hidrográficas e a Gestão Sustentável dos Recursos Naturais. In: MARTINS, L.D. et al. Atualidades em desenvolvimento sustentável. Manhuaçu, MG. Suprema Gráfica e Editora LTDA, 2012. p. 57–66. CAMPOS, F. C. DE; BELHOT, R. V. Gestão de Manutenção de frota de veiculos: uma Revisão. Gestão & Produção, v. 1, n. 1, 1994. p. 171–188. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução Nº 237, de 19 de dezembro de 1997. Dispõe sobre licenciamento ambiental; competência da União, Estados e Municípios; listagem de atividades sujeitas ao licenciamento; Estudos Ambientais, Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental. Brasília. 1997. p. 9. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução Nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília. 2005. p. 27. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução Nº 273, de 29 de novembro de 2000. Estabelece diretrizes para o licenciamento ambiental de postos de combustíveis e serviços e dispõe sobre a prevenção e controle da poluição. Brasília. 2000. p. 30. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução Nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente- CONAMA. Brasília. 2011. p. 9. DACACH, N.G. Saneamento Básico. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979. p. 314. DE AZEVEDO, H. P. M. Descrição do projeto do sistema separador de água e óleo para o aeroporto de congonhas. 2007. p.82. Dissertação (Graduação em Engenharia Civil - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, SP, 2007. 51 ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY, U.S. 5520 Oil and Grease. 17 th. ed. 2001, p. 35–43. FARESIN, A. E. Conservação de água em escolas com ênfase em aproveitamento de água de chuva: estudo de caso nas escolas da rede municipal de Erechim – RS. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, RS, 2008. Disponível em: <http://www. upf.br/ppgeng/images/stories/2006andreiafaresin.pdf>. Acesso em: 8 set. 2011. HESPANHOL, I. Um novo paradigma para a gestão de recursos hídricos. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, p. 131–158, 2008. JAQUES, R. C. Qualidade da água de chuva no município de Florianópolis e sua potencialidade para aproveitamento em edificações. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2005. Disponível em: http://www.tede.ufsc.br/teses/PGEA0224.pdf. Acesso em: 10 set. 2014. LIMA, A. N. et al.Avaliação da qualidade de água da chuva para aplicação em usos não potáveis. In: 26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2011, Porto Alegre, RS. Anais. Rio de Janeiro: ABES, 2011. CD-ROM. LOPES, G. B. Estudo de Viabilidade Técnica do Aproveitamento de Água de Chuva para fins não potáveis na Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG). Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Federal de Uberlândia, MG. 2012. LORENZETT, D. B.; ROSSATO, M. V.; NEUHAUS, M. Medidas de Gestão Ambiental adotadas em um posto de abastecimento de combustíveis. Revista Gestão Industrial, v. 07, n. 03, p. 1–21, 2011. MAY, S. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações.Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Escola Politécnica de São Paulo - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2004 MOURA, E. M. J. Descarga de Águas Residuais não Domésticas em Sistemas de Drenagem Urbanos: Avaliação do Impacto nas Redes e nos Meios Hídricos Receptores. Dissertação (Mestrado em Engenharia do Meio Ambiente). Faculdade de Engenharia do Porto - Universidade do Porto. Porto. 2008. MOURA, L. H. A. M.; BOAVENTURA, G. R.; PINELLI, M. P. A qualidade de água como indicador de uso e ocupação do solo: Bacia do Gama - Distrito Federal. Química Nova, v. 33, n. 1, p. 97–103, 2010. NAKADA, L. Y. K. Avaliação da qualidade de água pluviais armazenadas e estudos de tratabilidade empregando filtro de pressão com diferentes meios filtrantes visando ao aproveitamento para fins não potáveis. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental). Universidade Estadual Paulista, 2012. NAKADA, L. Y. K.; MORUZZI, R. B. Variabilidade qualitativa de águas pluviais coletadas em telhado e sua importância na concepção do sistema de tratamento. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 19, n. 11, p. 1–9, 2014. 52 OLIVEIRA E AGUIAR, A.; JOAQUIM FILHO, J. Veículos em fim de vida como resíduos: panorama, fragilidades e perspectivas do gerenciamento no Brasil. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. 15., 2011, São Paulo: SIMPOI, 2011. p. 16. PETERS, M. R. Potencialidade de uso de fontes alternativas de água para fins não potáveis em uma unidade residencial. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006. PORTO, M. F. DO A.; PORTO, R. L. L. Gestão de Bacias Hidrográficas. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, p. 43–60, 2008. REBOUÇAS, A. C. Água e desenvolvimento rural. Estudos Avançados, v. 15, n. 43, p. 327– 344, 2001. REBOUÇAS, A. C. Água no Brasil : abundância , desperdício e escassez. Bahia Análise & Dados, v. 13, n. Especial, p. 341–345, 2003. SANTOS, P. T. S. et al. Telhado verde: desempenho do sistema construtivo na redução do escoamento superficial. Ambiente Construido, v. 13, n. 1, p. 161–174, 2013. SAUTCHUCK, C. et al. Conservação e Reuso da Água em Edificações. São Paulo: Prol Editora Gráfica, 2005. Disponível em: http://www.sindusconsp.com.br /downloads/prodserv/publicacoes/manual_agua_em_edificacoes.pdf. Acesso em: 20 fev. 2015. SILVA, J. W.; GUIMARÃES, E. C.; TAVARES, M. Variabilidade temporal da precipitação mensal e anual na estação climatológica de Uberaba-MG. Ciência e Agrotecnologia, v. 27, n. 3, p. 665–674, 2003. SILVA, L. C.; VIEIRA, P. C.; FREITAS, R.B. Avaliação da qualidade da água de chuva para fins não potáveis na cidade de Itabira/MG. In: Simpósio Luso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 15, 2012, Belo Horizonte, MG. CD-ROM. SILVEIRA, E. L. C. et al. Determinação de Contaminantes em Óleos Lubrificantes usados e em Esgotos Contaminados por esses Lubrificantes. Química Nova, v. 29, n. 6, p. 1193–1197, 2006. SOUZA, L. O. C. et al. Avaliação de sistemas de irrigação por gotejamento, utilizados na cafeicultura. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, n. 31, p. 541– 548, 2006. TEIXEIRA, V. L.; COUTO, L. F. S. A cultura do consumo: Uma Leitura psicanalítica Lacaniana. Psicologia em Estudo, v. 15, n. 3, p. 583–591, 2010. TOMAZ, P. Aproveitamento de Água de Chuva: aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. 2 ed. São Paulo: Navegar, 2005. 180 p. TUCCI, C. E. M. Águas urbanas. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, p. 97–112, 2008. 53 TUNDISI, J. G. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, p. 1–10, 2008. VIVACQUA, M. C. R.; SANTOS, S. R. Qualidade da Água do Escoamento Superficial Urbano – Revisão Visando o Uso Local. Dissertação (Mestrado em Engenharia). Escola Politécnica - Universidade de São Paulo, 2005. WARERU, D. W. Influence of Rainfall Amount and Distribution on Rainwater Catchment System Design. In: 9th International Rainwater Catchment Systems Conference - "Rainwater Catchment: An Answer to the Water Scarcity of the Next Millennium". 9th. 1999, Petrolina, PE. Disponível em: http://www.eng.warwick.ac.uk/ircsa/pdf/9th/04_09.pdf. Acesso em 11 jan. 2015. WISBECK, E. et al. Desinfecção de água de chuva por radiação ultravioleta. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 16, n. 4, p. 337–342, 2011. ZAFFANI, A. G.; MENDIONDO, E. M. Poluição Difusa da Drenagem Urbana com Base Ecohidrológica: Diagnóstico Atual e Cenários de Longo Prazo em Bacias Urbanas de São Carlos, SP. Dissertação (Mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento). Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo, São Carlos, 2012. ZULAUF, W. E. O meio ambiente e o futuro. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, p. 85–100, 2000.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectÁguapor
dc.subjectÓleo Lubrificantepor
dc.subjectModelo Experimentalpor
dc.subjectGestão Ambientalpor
dc.subjectWatereng
dc.subjectLubricating Oileng
dc.subjectExperimental Modeleng
dc.subjectEnvironmental Managementeng
dc.subject.cnpqDreangem Urbana de Águas Pluviaispor
dc.titleDeterminação da quantidade de óleo na água de escoamento superficial: Simulação física de evento pluviométrico e da poluição por óleo lubrificantepor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Rafael C Cunha.pdfDissert Rafael C Cunha4,51 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons