Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/458
Tipo: Dissertação
Título: Treinamento de força de alta frequência não é mais eficaz do que o treinamento de força de baixa frequência para aumentar a massa muscular e força em homens bem treinados
Autor: GOMES, Gederson Kardec 
Primeiro orientador: ORSATTI, Fábio Lera
Resumo: O treinamento de força (TF) resulta em hipertrofia muscular (determinada pelo acúmulo de proteínas de cada sobreposição da taxa de síntese de proteína que excede a taxa de degradação após uma sessão de TF) e aumento da força muscular máxima (relacionada aos ajustes neurais e à hipertrofia muscular). À medida que o TF prossegue, os ganhos de força e massa musculares passam a se estagnar. A manipulação da frequência (número de dias que um grupamento é treinado na semana) de TF tem sido sugerida como estratégia importante para romper essa estagnação, promovendo aumento de força e hipertrofia musculares em homens bem treinados. Portanto, o objetivo do estudo foi investigar se o TF realizado em alta frequência é superior ao TF de baixa frequência nas adaptações do músculo esquelético (aumento de força e massa musculares). Participaram do estudo 23 sujeitos (idade 26,2 ± 4,2, experiência com TF 6,9 ± 3,1), distribuídos aleatoriamente em dois grupos: TF de baixa frequência (TFBF, n = 12) e TF de alta frequência (TFAF, n = 11). O grupo TFBF treinou cada grupamento muscular uma vez na semana em uma rotina split body, enquanto o TFAF treinou cada grupamento muscular cinco vezes na semana em uma rotina total body. Ambos os grupos realizaram o mesmo número de séries (5-10 séries) e exercícios (1-2 exercícios por grupo muscular) por semana, em que a intensidade utilizada para eles foi de 70 a 80% de uma repetição máxima (1RM) com 8 a 12 repetições, cinco vezes por semana. A força muscular (1RM no supino reto e agachamento livre) e a hipertrofia muscular total e regional (absorciometria de raios-X de dupla energia) foram avaliadas antes e ao final do estudo. Os resultados mostraram que houve aumentos na força (TFBF e TFAF: supino reto 5,6 kg e 9,7 kg e agachamento livre 8,0 kg e 12,0 kg, respectivamente) e massa musculares (p = 0,007) (TFBF e TFAF: 0,5 kg e 0,8 kg, respectivamente) em ambos os grupos (P < 0,001), sem diferença entre eles (supino reto, P = 0,168; agachamento livre, P = 0,312 e hipertrofia muscular, P = 0,619). O presente estudo sugere que o treinamento de força de alta frequência não é mais eficaz do que o de baixa frequência para aumentar massa e força musculares em homens bem treinados.
Resumo: Strength training (TF) results in muscle hypertrophy (determined by the accumulation of proteins from each overlap of protein synthesis rate that exceeds the rate of degradation after a TF session) and increased maximal muscle strength (related to neural adjustments and muscle hypertrophy). As the TF proceeds, muscle strength and mass gains stagnate. The frequency manipulation (number of days that a group is trained in the week) of TF has been suggested as an important strategy to break this stagnation by promoting increased muscle strength and hypertrophy in well-trained individuals. Therefore, the objective of the study was to investigate whether high frequency TF is superior to low frequency TF in skeletal muscle adaptations (increase of muscle strength and mass). Twenty-three subjects (age 26.2 ± 4.2, experience with TF 6.9 ± 3.1) were randomly assigned to two groups: low frequency TF (TFBF, n = 12) and high frequency TF (TFAF, n = 11). The TFBF group trained each muscle group once a week in a split body routine, while the TFAF group trained each muscle group five times a week in a total body routine. Both groups performed the same number of sets (5-10 sets) and exercises (1-2 exercises per muscle group) per week, in which the intensity used for them was 70-80% of a maximal repetition (1RM) with 8 to 12 repetitions, five times a week. Muscle strength (1RM in bench press and barbell back squat), total and regional muscle hypertrophy (dual energy X-ray absorptiometry) were assessed before and at the end of the study. The results showed that there were increases in strength (TFBF and TFAF: bench press 5.6 kg and 9.7 kg and barbell back squat 8.0 kg and 12.0 kg, respectively) and muscle mass (p = 0.007) (TFBF e TFAF: 0.5 kg e 0.8 kg, respectively) in both groups (P <0.001), without difference between them (bench press, P = 0.168; barbell back squat, P = 0.312 and muscle hypertrophy, P = 0.619). The present study suggests that high frequency strength training is no more effective than low frequency strength training to increase muscle mass and strength in well-trained men.
Palavras-chave: Volume.
Hipertrofia.
Levantamento de peso.
Treinamento resistido.
Volume.
Hypertrophy.
Weightlifting.
Resistance training.
Área do CNPQ: Educação Física
Idioma: por
País: Brasil
Editora / Evento / Instituição: Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sigla da instituição: UFTM
Departamento: Instituto de Ciências da Saúde - ICS::Curso de Graduação em Educação Física
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação Física
Citação: GOMES, Gederson Kardec. Treinamento de força de alta frequência não é mais eficaz do que o treinamento de força de baixa frequência para aumentar a massa muscular e força em homens bem treinados. 2017. 65f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2017.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
Data do documento: 10-Oct-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Educação Física

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Gederson K Gomes.pdfDissert Gederson K Gomes764,55 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons