Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/798
Tipo: Dissertação
Título: Análise do discurso de gênero no contexto hospitalar: perspectivas dos pacientes
Autor: RUIZ, Juliana Machado 
Primeiro orientador: TILIO, Rafael de
Resumo: Compreendendo gênero enquanto um marcador social que organiza as relações entre os sujeitos, tal princípio caracteriza-se enquanto ordenador e normatizador de práticas sociais através de categorizações distintas para o feminino e o masculino. Diversas culturas e sociedades transformam essas diferenciações em desigualdades que se expressaram em todas as dimensões da existência humana, inclusive no processo saúde-doença e nos modos como os sujeitos se filiam aos serviços de saúde. No entanto, ao falar da dimensão gênero como parte fundamental da problemática de saúde, enfatiza-se não apenas as particularidades resultantes exclusivamente da diferença biológica entre homens e mulheres, mas também o esforço de compreender de que forma os ideias de feminilidade e masculinidade, construídos socialmente, permeiam tais práticas, de modo a possibilitar intervenções mais efetivas sobre a saúde dos sujeitos. Diante disso, essa pesquisa teve por objetivo (através de dois estudos distintos, porém articulados) compreender as Formações Discursivas (FD) de gênero relativas aos cuidados em saúde de mulheres (Estudo Um) internadas nas enfermarias de ginecologia/obstetrícia e de homens (Estudo Dois) internados sob os cuidados da especialidade de urologia em uma instituição hospitalar. Participaram dos estudos treze mulheres e sete homens. A coleta de dados foi realizada por meio de um roteiro de entrevista semiestruturada e todas as entrevistas foram audiogravadas e transcritas na íntegra. Posteriormente, os dados foram organizados e analisados à luz da Análise do Discurso de Michel Pêcheux. As principais FD identificadas destacaram tradicionalismos e estereótipos de gêneros construídos social e historicamente enquanto norteadores das formulações dos participantes, pautados em uma Formação Ideológica (binária) que prescreve aos membros de uma sociedade regras de conduta, dentre elas, as formas de exercer os cuidados em saúde. Considerou-se o campo da saúde enquanto espaço discursivo de (re)produção de estereótipos e desigualdades de gênero, alicerçado em Formações Ideológicas e Imaginárias que são constituintes dos modos como os sujeitos transitam nesse cenário. Propõem-se a compreensão das questões de gênero como conteúdo transversal a todas as áreas e contextos de saúde, partindo da perspectiva de que um melhor entendimento do universo feminino e masculino em relação à saúde, alicerçadas pelas questões de gênero, pode favorecer a oferta de programas e serviços condizentes com as reais demandas e necessidades dessa população. Por fim, entende-se que para a superação desse conjunto de constrangimentos sociais e institucionais faz-se essencial a discussão a respeito das políticas públicas de saúde (dentre elas a PNAISM e a PNAISH) enquanto instrumentos que podem contribuir na organização de modelos assistenciais e de práticas de cuidado que reconheçam e contemplem as questões subjetivas e sociais de cada indivíduo, promovendo melhorias no atendimento. Sendo assim, o campo da saúde precisa ser alvo de constante questionamento sobre suas ações e de que forma pretendem atingir a população de forma integral.
Resumo: Understanding gender as a social marker that organizes relationships between subjects, this principle is characterized as a normative of social practices through distinct categorizations for the feminine and the masculine. Various cultures and societies transform these differences into inequalities that have been expressed in all dimensions of human existence, including the health/illness process and in the way subjects engage themselves in health services. However, speaking of gender dimension as a fundamental part of the health problem, it is emphasized not only the peculiarities resulting exclusively from the biological difference between men and women, but also the effort to understand in which ways the ideas of femininity and masculinity, as a social construct, permeate these practices in order to enable more effective interventions on the subjects’ health. Therefore, this research aimed to understand the Discursive Formations (DF) of gender related to the health care of women (Study One) hospitalized in gynecology/obstetrics wards and of men (Study Two) hospitalized under the specialty of urology in a hospital institution. Thirteen women and seven men participated in these studies. Data collection was done through a semi-structured interview script and all interviews were audiographed and transcribed in full. Subsequently, the data was organized and analyzed in the light of the Pêcheux’s Discourse Analysis. It was found that the main DF identified traditionalisms and stereotypes of genders, socially and historically constructed, as guiding the formulations of the participants, based on an Ideological Formation (binary) that prescribes to the members of a society rules of conduct, among them, the ways of exercising health care. The field of health was considered as a discursive space of (re) production of gender stereotypes and inequalities, based on Ideological and Imaginary Formations that are constituents of the ways in which the subjects transit in this scenario. It is proposed to understand gender issues as a cross-cutting content in all health areas and contexts, starting from the perspective that a better understanding of the feminine and masculine universe in relation to health care, based on gender issues, may favor the provision of programs and services more consistent with the real demands and needs of these populations. Finally, it is understood that in order to overcome this set of social and institutional constraints, it is essential to discuss public health policies (among them, PNAISM and PNAISH) as instruments that can contribute to the organization of health care models and of health care practices that recognize and contemplate the subjective and social issues of each individual. Therefore, the health field needs to be constantly questioned about its actions and how they intend to reach the population in an integral way.
Palavras-chave: Gênero.
Saúde.
Hospital.
Análise do Discurso.
Gender.
Health.
Hospital.
Discourse Analysis.
Área do CNPQ: Psicologia
Idioma: por
País: Brasil
Editora / Evento / Instituição: Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sigla da instituição: UFTM
Departamento: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Programa: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Citação: RUIZ, Juliana Machado. Análise do discurso de gênero no contexto hospitalar: perspectivas dos pacientes. 2018. 82f . Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2018 .
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
Data do documento: 30-Jul-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Juliana M Ruiz.pdfDissert Juliana M Ruiz576,93 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons