Please use this identifier to cite or link to this item: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/935
Tipo: Dissertação
Título: Torque crítico, w’ e capacidade funcional em mulheres idosas: o papel do treinamento de força
Título(s) alternativo(s): Artigo 1: W', torque crítico e desempenho de caminhada de mulheres na pós-menopausa: o papel das diferentes intensidades do treinamento de força
Artigo 2: Efeito de diferentes intensidades do treinamento resistido na fatigabilidade em mulheres na pós-menopausa
Autor: SOUSA, Jairo de Freitas Rodrigues de
Primeiro orientador: ORSATTI, Fábio Lera
Resumo: Dois parâmetros definem as características hiperbólicas da relação torque-duração, o torque crítico (TC) e o W prime (Wʹ). A assíntota dessa relação hiperbólica representa o limiar biológico (isto é, TC), o qual separa o estado de exercício tolerável do não tolerável. A área sob a curva acima do torque crítico denomina-se W’, definido como toda capacidade de realizar trabalho acima do TC. Ambos, W’ e TC diminuem com o envelhecimento. Nesse sentido, tem-se sugerido que o W’ e TC podem ser importantes determinantes da capacidade de caminhada em idosos. Assim, torna-se necessário estudar formas de intervenções eficientes para aumentar W' e TC. Embora o treinamento resistido (TR) com alta intensidade pode aumentar W’, o protocolo de TR mais apropriado para aumentar W' ou (e) TC permanece indefinido, especialmente em idosos. Além disso, não se sabe se as alterações em W’ e TC com o TR pode levar a melhorias no desempenho físico em idosos. Para preencher essa lacuna, realizamos dois estudos. No primeiro mostramos que TR aumenta o (P <0,05) W', TC e teste de caminhada de 400 metros (TC400). Enquanto o grupo que treinou com baixa intensidade (TRBI) aumentou a TC, o grupo que treinou com alta intensidade (TRAI) aumentou o desempenho de W' e 400MT. Além disso, o aumento em W’ após o TRAI foi associado à melhoria no desempenho de 400MT. Esses resultados sugerem que o TRAI aumenta o W' e o desempenho físico, enquanto o TRBI aumenta o TC. No segundo estudo testamos o efeito da transição de cargas (crossover) sobre as adaptações em W’ e TC. Observamos que apenas o grupo TRAI aumentou W' após 12 semanas. Após a transição da carga, no entanto, TRBI para TRAI aumentou W', enquanto TRAI para TRBI perdeu o aumento de W' obtido nas primeiras 12 semanas. Além disso, o aumento na TC foi semelhante, independentemente da carga após 12 semanas de TR. Após a transição da carga, no entanto, a transição de TRAI para TRBI continuou aumentando o TC, enquanto TRBI para TRAI manteve o aumento da CT obtido nas primeiras 12 semanas. Assim, a adaptação em W' e TC após o TR são dependentes da carga de TR em MPM. Enquanto o TRAI aumenta W', o TRBI maximiza o CT. Além disso, o TRAI mantém a adaptação em TC obtida com TRBI, mas TRBI não mantém as adaptações em W' obtidas por TRAI.
Resumo: Two parameters define the hyperbolic characteristics of the torque-duration relationship, critical torque (TC) and W prime (Wʹ). The asymptote of this hyperbolic relationship represents the biological threshold (i.e. CT), which separates the tolerable from the nontolerable exercise state. The area under the curve above the critical torque is called W', defined as any ability to perform work above CT. Both W' and TC decrease with aging. In this sense, it has been suggested that W' and CT may be important determinants of walking ability in the elderly. Thus, it becomes necessary to study forms of efficient interventions to increase W' and TC. Although high intensity resistance training (RT) may increase W', the most appropriate RT protocol for increasing W' or (e) CT remains undefined, especially in the elderly. Furthermore, it is not known whether changes in W' and CT with TR can lead to improvements in physical performance in the elderly. To fill this gap, we conducted two studies. In the first we show that TR increases the (P <0.05) W', TC and 400 meter walking test (400WT). While the low intensity resistance training group (LIRT) increased CT, the high intensity resistance training group (HIRT) increased W' and 400WT performance. In addition, the increase in W' after HIRT was associated with 400MT performance improvement. These results suggest that HIRT increases W' and physical performance, while LIRT increases TC. In the second study we tested the effect of crossover on W' and TC adaptations. We observed that only the HIRT group increased W' after 12 weeks. After the load transition, however, LIRT to HIRT increased W', while HIRT to LIRT lost the W' increase obtained in the first 12 weeks. In addition, the increase in CT was similar regardless of the load after 12 weeks of RT. After the load transition, however, the transition from HIRT to LIRT continued to increase CT, while LIRT to HIRT maintained the increase in CT obtained in the first 12 weeks. Thus, the adaptation in W' and TC after RT is dependent on the RT load in postmenopausal women. As HIRT increases W', LIRT maximizes CT. In addition, HIRT maintains the CT adaptation obtained with LIRT, but LIRT does not maintain the W' adaptations obtained by HIRT.
Dois parâmetros definem as características hiperbólicas da relação torque-duração, o torque crítico (TC) e o W prime (Wʹ). Os efeitos do treinamento resistido (TR) sobre W’ e TC em idosos ainda não são claros, mas são interessantes porque recentemente foi sugerido que W' e TC são importantes preditores de desempenho físico em adultos mais velhos. Este estudo teve como objetivo investigar o impacto de diferentes intensidades de TR [TR de alta intensidade (TRAI) vs. TR de baixa intensidade (TRBI)] em TC e Wʹ em mulheres na pós-menopausa (MPM) e também se as alterações em TC e (ou) Wʹ explicam as alterações no desempenho físico. As MPM foram randomizados em três grupos: Controle (CTL; n = 14), TRBI [intensidades necessárias para realizar 27 - 31 repetições; n = 17] e TRAI [intensidades necessárias para realizar 8 - 12 repetições, n = 14].O desempenho físico foi avaliado pelo teste de caminhada de 400 metros (TC400). O TR foi realizado durante 12 semanas. TR aumentou (P <0,05) W', TC e TC400. Enquanto o grupo LI-TR aumentou a TC, o grupo TRAI aumentou o desempenho de W' e TC400. A mudança no W' foi associada às mudanças no desempenho de TC400 no grupo TRAI. A RT melhora a TC e a W' e o desempenho físico na PF. No entanto, o TRAI aumenta o W' e o desempenho físico, enquanto o TRBI aumenta o TC. Além disso, parece haver uma relação entre melhorar o W' e melhorar o desempenho físico em MPM.
Nos idosos, o baixo desempenho físico está associado à fatigabilidade muscular. Uma maneira de explorar a fadigabilidade é a relação entre o torque muscular e o tempo em que ele pode ser sustentado. Essa relação torque-tempo é descrita como hiperbólica. A assíntota desta relação hiperbólica representa o limiar biológico (isto é, torque crítico) e a área sob a curva (impulso) acima do torque crítico é chamada W prime (W'), que representa a capacidade de trabalho que pode ser realizada acima da TC. Embora pareça razoável supor que o treinamento resistido de alta intensidade (TRAI) aumenta W' e o treinamento resistido de baixa intensidade (TRBI) aumenta a TC, não está claro se a transição de TRAI para TRBI e de TRAI para TRBI mantém as adaptações em W' ou TC causadas pela intensidade de treinamento anterior. Até onde sabemos, nenhum estudo foi realizado para investigar se a manipulação na carga de RT pode ser crítica para manter (ou maximizar) a adaptação em W' ou TC. Portanto, o objetivo do presente estudo foi investigar o impacto da transição de TRAI para TRBI (TRAI→TRBI) e a transição do TRBI para TRAI (TRBI→TRAI) sobre W' e TC em mulheres na pósmenopausa (MPM). Observamos que apenas o grupo TRAI aumentou W' após 12 semanas. Após a transição da carga, no entanto, TRBI→TRAI aumentou W' enquanto TRBI→TRAI perdeu o aumento de W' obtido nas primeiras 12 semanas. Além disso, o aumento na TC foi semelhante, independentemente da carga após 12 semanas de TR. Após a transição da carga, no entanto, TRAI→TRBI aumentou a TC, enquanto TRBI→TRAI manteve o aumento da TC obtido nas primeiras 12 semanas. Assim, a adaptação em W’ e TC após RT são dependentes da carga de TR em MPM. Enquanto o TRAI aumenta W', o TRBI maximiza o TC. Além disso, o TRAI mantém a adaptação em TC obtida com TRBI, mas TRBI não mantém as adaptações em W' obtidas por TRAI.
Palavras-chave: Treinamento resistido.
Fatigabilidade.
Idosos.
Função física.
Torque crítico.
Desempenho físico.
Fatigability.
Elderly.
Physical function.
Critical torque.
Resistance training.
Área do CNPQ: Educação Física
Idioma: por
País: Brasil
Editora / Evento / Instituição: Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Sigla da instituição: UFTM
Departamento: Instituto de Ciências da Saúde - ICS::Curso de Graduação em Educação Física
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação Física
Citação: SOUSA, Jairo de Freitas Rodrigues de. Torque crítico, w’ e capacidade funcional em mulheres idosas: o papel do treinamento de força. 2019. 62f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2019.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
Data do documento: 31-Jul-2019
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Educação Física

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissert Jairo F R Sousa.pdfDissert Jairo F R Sousa1,12 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons